Quinta-feira, 25 de Abril de 2024

Recordando... Manuel Alegre  

SALGUEIRO MAIA

Ficaste na pureza inicial
do gesto que liberta e se desprende.
Havia em ti o símbolo e o sinal
havia em ti o herói que não se rende.

 

Outros jogaram o jogo viciado
para ti nem poder nem sua regra.
Conquistador do sonho inconquistado
havia em ti o herói que não se integra.

 

Por isso ficarás como quem vem
dar outro rosto ao rosto da cidade.
Diz-se o teu nome e sais de Santarém
trazendo a espada e a flor da liberdade.

 

In “País de Abril” 
Edições Dom Quixote, 2016

 

Manuel Alegre

(N.1936)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 25 de Dezembro de 2023

Recordando... Manuel Alegre  

NATAL

 

Acontecia. No vento. Na chuva. Acontecia.

Era gente a correr pela música acima.

Uma onda uma festa. Palavras a saltar.

 

Eram carpas ou mãos. Um soluço uma rima.

Guitarras guitarras. Ou talvez mar.

E acontecia. No vento. Na chuva. Acontecia.

 

Na tua boca. No teu rosto. No teu corpo acontecia.

No teu ritmo nos teus ritos.

No teu sono nos teus gestos. (Liturgia liturgia).

Nos teus gritos. Nos teus olhos quase aflitos.

E nos silêncios infinitos. Na tua noite e no teu dia.

No teu sol acontecia.

 

Era um sopro. Era um salmo. (Nostalgia nostalgia).

Todo o tempo num só tempo: andamento

de poesia. Era um susto. Ou sobressalto. E acontecia.

Na cidade lavada pela chuva. Em cada curva

acontecia. E em cada acaso. Como um pouco de água turva

na cidade agitada pelo vento.

 

Natal Natal (diziam). E acontecia.

Como se fosse na palavra a rosa brava

acontecia. E era Dezembro que floria.

Era um vulcão. E no teu corpo a flor e a lava.

E era na lava a rosa e a palavra.

Todo o tempo num só tempo: nascimento de poesia.

 

In “Antologia Poética”

 

Manuel Alegre  

(N.1936)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 1 de Março de 2023

Recordando... Manuel Alegre

NÃO SEI DE AMOR SENÃO

 

Não sei de amor senão o amor perdido

o amor que só se tem de nunca o ter

procuro em cada corpo o nunca tido

e é esse que não pára de doer.

Não sei de amor senão o amor ferido

de tanto te encontrar e te perder.

 

Não sei de amor senão o não ter tido

teu corpo que não cesso de perder

nem de outro modo sei se tem sentido

este amor que só vive de não ter

o teu corpo que é meu porque perdido

não sei de amor senão esse doer.

 

Não sei de amor senão esse perder

teu corpo tão sem ti e nunca tido

para sempre só meu de nunca o ter

teu corpo que me dói no corpo ferido

onde nunca deixou nunca de doer

não sei de amor senão o amor perdido.

 

Não sei de amor senão o sem sentido

deste amor que não morre por morrer

o teu corpo tão nu nunca despido

o teu corpo tão vivo de o perder

neste amor que só é de não ter sido

não sei de amor senão esse não ter.

 

Não sei de amor senão o não haver

amor que dure mais do que o nunca tido.

Há um corpo que não para de doer

só esse é que não morre de tão perdido

só esse é sempre meu de nunca o ser

não sei de amor senão o amor ferido.

 

Não sei de amor senão o tempo ido

em que amor era amor de puro arder

tudo passa mas não o não ter tido

o teu corpo de ser e de não ser

só esse meu por nunca ter ardido

não sei de amor senão esse perder.

 

Cintilante na noite um corpo ferido

só nele de o não ter tido eu hei-de arder

não sei de amor senão amor perdido.

 

In “Livro Do Português Errante”

Publicações Dom Quixote

 

Manuel Alegre

(N.1936)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 25 de Março de 2022

Recordando... Manuel Alegre

NÃO NECESSARIAMENTE UMA PALAVRA

 

Há versos silenciosos ocultos submersos

no sangue no recato no pudor

há versos que quem os sente fica sem saber

se está doente ou tonto e se o melhor

não será disfarçar para que ninguém

repare na mudança

da fala do andar do gesto

ou até do silêncio.

Um poema infiltra-se. Salta por dentro

rompe todos os diques da convenção

ninguém pode conter um poema

mesmo que seja apenas

uma vogal que de repente fica azul

ou uma consoante que desata a rabiar

ninguém pode conter essa toada

esse tremor de terra que sem que se dê por isso

altera subitamente a vida

e acende nas artérias mais obscuras

não necessariamente uma palavra

mas um fogo submerso

uma espécie de pedra cintilante

um fluxo de lava.

 

Ainda que se não saiba é já um verso

algo que bate fundo

como a sílaba cantante

do poema do mundo...

 

In "Doze Naus"

Publicações Dom Quixote

 

Manuel Alegre

(N.1936)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 19 de Maio de 2020

Recordando... Manuel Alegre

AS FACAS

 

Quatro letras nos matam quatro facas

que no corpo me gravam o teu nome.

Quatro facas amor com que me matas

sem que eu mate esta sede e esta fome.

 

Este amor é de guerra. (De arma branca).

Amando ataco amando contra-atacas

este amor é de sangue que não estanca.

Quatro letras nos matam quatro facas.

 

Armado estou de amor. E desarmado.

Morro assaltando morro se me assaltas.

E em cada assalto sou assassinado.

 

Quatro letras amor com que me matas.

E as facas ferem mais quando me faltas.

Quatro letras nos matam quatro facas.

 

In “Obra Poética”

Publicações Dom Quixote

 

Manuel Alegre

(N.1936)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 25 de Abril de 2020

Recodando... Manuel Alegre

O CANTO E AS ARMAS

 

Canto as armas e os homens

as pedras os metais

e as mãos que transformando

se transformam. Eu canto

o remo e a foice. Os símbolos.

Meu sangue é uma guitarra

tangida pelo Tempo.

Canto as armas e as mãos.

E as palavras que foram

areias tempestades

minutos. E o amor.

E também a memória

do cravo e da canela.

E também a quentura

de outras mãos: terra e astros.

E também a tristeza

e a festa. O sangue e as lágrimas.

 

O vinho: puro arder.

E também a viagem:

navegação lavoura

indústria – esse combate.

Procurai-me nas armas

no sílex no barro.

Pedra: meu nome é esse.

E escreve-se no vento.

Canto o carvão e as cinzas

as gazelas e os peixes

na fogueira contínua

das cavernas. E a pele

do tigre sobre a pele

do homem. Eis meu rosto:

está gravado na rocha.

Procurai-me no fóssil

e no carvão. Meu rosto

é cinza e Primavera.

Canto as armas e os homens.

Porque a Tribo me disse:

tu guardarás o fogo.

E por armas me deu

o bronze das palavras.

Meu nome é flecha. E perde-se

no pássaro. Começa

meu canto onde começa

a construção. Pastores

do tempo são meus dedos.

 

Caçadores de coisas

impossíveis. Eu canto

os dedos que transformam

e se transformam. Canto

as marítimas mãos

de Magalhães. As mãos

voadoras de Gagárine.

 

Procurai-me no mar

procurai-me no espaço.

Estou no centro da terra.

Meu nome é cinza. E espalha-se

no vento. Sou adubo

fermentação floresta.

E cintilo nas armas

 

Canto as armas e o Tempo.

As minhas armas o

meu tempo. E desarmado

pergunto à flor pergunto

ao vento: vistes lá

o meu país? E o meu

país está nas palavras.

Porque a Tribo me disse:

tu guardarás o fogo.

E por armas me deu

esta espada este canto.

 

In “O Canto e as Armas”  

Publicações Dom Quixote

 

Manuel Alegre

(N.1932)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 25 de Abril de 2014

Recordando... Manuel Alegre

LETRA PARA UM HINO

 

É possível falar sem um nó na garganta.

É possível amar sem que venham proibir.
É possível correr sem que seja a fugir.
Se tens vontade de cantar não tenhas medo: canta.

 

É possível andar sem olhar para o chão.
É possível viver sem que seja de rastos.
Os teus olhos nasceram para olhar os astros.
Se te apetece dizer não, grita comigo: não!

 

É possível viver de outro modo.
É possível transformar em arma a tua mão.
É possível viver o amor. É possível o pão.
É possível viver de pé.

 

Não te deixes murchar. Não deixes que te domem.
É possível viver sem fingir que se vive.
É possível ser homem.
É possível ser livre, livre, livre.

 

In “O Canto e as Armas”

Publicações Dom Quixote

 

Manuel Alegre

N. 1936

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quinta-feira, 25 de Abril de 2013

Recordando... Manuel Alegre

ABRIL DE ABRIL

Era um Abril de amigo Abril de trigo
Abril de trevo e trégua e vinho e húmus
Abril de novos ritmos novos rumos.

Era um Abril comigo Abril contigo
ainda só ardor e sem ardil
Abril sem adjectivo Abril de Abril.

Era um Abril na praça Abril de massas
era um Abril na rua Abril a rodos
Abril de sol que nasce para todos.

Abril de vinho e sonho em nossas taças
era um Abril de clava Abril em acto
em mil novecentos e setenta e quatro.

Era um Abril viril Abril tão bravo
Abril de boca a abrir-se Abril palavra
esse Abril em que Abril se libertava.

Era um Abril de clava Abril de cravo
Abril de mão na mão e sem fantasmas
esse Abril em que Abril floriu nas armas.

In “30 Anos de Poesia”

Publicações  Dom Quixote

 

Manuel Alegre

N.1936

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 31 de Março de 2012

Recordando... Manuel Alegre

CANÇÃO TÃO SIMPLES

 

Quem poderá domar os cavalos do vento
quem poderá domar este tropel
do pensamento
à flor da pele?

Quem poderá calar a voz do sino triste
que diz por dentro do que não se diz
a fúria em riste
do meu país?

Quem poderá proibir estas letras de chuva
que gota a gota escrevem nas vidraças
pátria viúva
a dor que passas?

Quem poderá prender os dedos farpas
que dentro da canção fazem das brisas
as armas harpas
que são precisas?

 

 

In “O Canto e as Armas”

Publicações Dom Quixote

 

 

Manuel Alegre

N. 1936

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 25 de Abril de 2011

Recordando... Manuel Alegre

ABRIL DE SIM ABRIL DE NÃO

Eu vi Abril por fora e Abril por dentro
vi o Abril que foi e Abril de agora
eu vi Abril em festa e Abril lamento
Abril como quem ri como quem chora.

Eu vi chorar Abril e Abril partir
vi o Abril de sim e Abril de não
Abril que já não é Abril por vir
e como tudo o mais contradição.

Vi o Abril que ganha e Abril que perde
Abril que foi Abril e o que não foi
eu vi Abril de ser e de não ser.

Abril de Abril vestido (Abril tão verde)
Abril de Abril despido (Abril que dói)
Abril já feito. E ainda por fazer.


In “30 Anos de Poesia”
Publicações Dom Quixote

 

Manuel Alegre

N. 1936

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Ano XVII

.posts recentes

. Recordando... Manuel Aleg...

. Recordando... Manuel Aleg...

. Recordando... Manuel Aleg...

. Recordando... Manuel Aleg...

. Recordando... Manuel Aleg...

. Recodando... Manuel Alegr...

. Recordando... Manuel Aleg...

. Recordando... Manuel Aleg...

. Recordando... Manuel Aleg...

. Recordando... Manuel Aleg...

.arquivos

. Junho 2024

. Maio 2024

. Abril 2024

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds