Sexta-feira, 31 de Março de 2023

Recordando... Maria Natália Teotónio Pereira

UM ACORDAR, VIOLENTO E DURO

 

Um acordar, violento e duro,

qualquer coisa desesperada

– mesmo que seja preciso saltar o muro –

que nos arranque da sempre mesma morna estrada

para encontrar um outro caminho mais seguro.

 

(Não podemos dizer a ninguém

o de repente desejo de infinito que nos vem.

Porque logo se vai

acompanhado o breve momento que o atrai).

 

Que realizarei

qualquer força interior.

Mas terei de dar

o que não dei

seja a quem fôr.

No procurar

do sítio exacto onde me pôr.

 

In “Mão Aberta”

Edição de autor

 

Maria Natália Teotónio Pereira

(1930-1971)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 25 de Março de 2023

Recordando... Paula Raposo

TANGENTE

 

É na tangência

do infinito

que nos podemos tocar,

trazendo no corpo

todas as fantasias

memorizadas;

como se de

 

um plano

marcado a ferros,

libertássemos

a adrenalina

dos conceitos.

 

In “Por ti com os meus olhos”

Chiado Editora

 

Paula Raposo

(N.1954)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 19 de Março de 2023

Recordando... Miguel Almeida

VIAGEM À VOLTA DE MIM

 

Numa procura de quem se busca, fiz de mim mesmo uma nau

E embarquei, na viagem.

Desfraldadas aos ventos, ofereci as velas ao Norte e ao Sul

Ao Este e ao Oeste, entreguei ao não sabido o meu eu.

Embarquei, naveguei e deixei-me ir.

 

Vi cidades onde estive, mas não gostei

Vivi nelas, paredes meias com a dor

Em rostos, que não quis conhecer

E de quem, na verdade

Quis fugir.

 

Caras tristes, com marcas tristes

Visíveis, como casas sem inquilinos.

 

Suspensão de mim a meu ser,

Distância (in) finita,

Quis perder-me, para me achar

Quis procurar-me, para me encontrar.

 

Perdido, vagueei em busca de mim

Mas no fim, nau fundeada

Num cais, com velas ancoradas

Já gastas, procurei viver esta viagem.

 

In “Ser Como Tu”

Esfera do Caos

 

Miguel Almeida

(N.1970)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 13 de Março de 2023

Recordando... Albano Martins

«CAMPO ABERTO»

DE SEBASTIÃO DA GAMA

 

Anda ontem eu falava de ti

serenamente

(a propósito:

não te esqueças <le responder

à minha última carta)

e agora

quero falar e não posso,

as palavras, húmidas, escorregam-me na garganta,

deixam-me na boca um sabor amargo.

Recebo a tua morte

como um golpe nas veias

à hora mais distraída,

quando o sol se define por uma linha perpendicular

e nós fazemos um ângulo raso com a vida.

Daí esta angústia,carnívora,

esta contracção súbita das raízes,

este horizonte curvado

de tanto reprimir as lágrimas.

Daí este evidente recuo idos meus passos

quando pretendo alcançar-te.

Mas tu prometeste que voltavas

e um Poeta cumpre sempre o que promete.

Entretanto sossega, meu amigo!:

o campo está definitivamente aberto

e as abelhas começam já

a carregar o pólen para os seus cortiços

e a perpetuar a essência dos teus versos.

Eu fico

com um manto de bruma sobre os ombros

esperando o teu regresso,

com a firme certeza

que só a amizade nos restitui os mortos.

 

7-2-52

 

In “ÁRVORE ”

Folhas de Poesia

Direcção e Edição de António Luís Moita, António Ramos Rosa,

José Terra, Luís Amaro, Raul de Carvalho

1.º Fascículo - Inverno de 1951-52

Pág. 91/92

 

Albano Martins

(1930-2018)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 7 de Março de 2023

Recordando... Pedro Homem de Mello

ÚLTIMAS VONTADES

Na branca praia, hoje deserta e fria,
De que se gosta mais do que de gente,
Na branca praia, onde te vi um dia
para sonhar, já tarde, eternamente,

Achei (ia jurá-lo!) à nossa espera,
Intacto o rasto dos antigos passos,
Aquela praia, inamovível, era
Espelho de pés leves, depois lassos!

E doravante, imploro, em testamento,
Que, nesta areia, a espuma seja a tiara
Do meu cadáver, preso ao teu e ao vento...

- Vaivém sexual, que o mar lega aos defuntos? - 
Se em vida, agora, tudo nos separa
Ó meu amor, apodreçamos juntos!

In "Ecce homo" – 1974

 

Pedro Homem de Mello

(1904-1984)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quarta-feira, 1 de Março de 2023

Recordando... Manuel Alegre

NÃO SEI DE AMOR SENÃO

 

Não sei de amor senão o amor perdido

o amor que só se tem de nunca o ter

procuro em cada corpo o nunca tido

e é esse que não pára de doer.

Não sei de amor senão o amor ferido

de tanto te encontrar e te perder.

 

Não sei de amor senão o não ter tido

teu corpo que não cesso de perder

nem de outro modo sei se tem sentido

este amor que só vive de não ter

o teu corpo que é meu porque perdido

não sei de amor senão esse doer.

 

Não sei de amor senão esse perder

teu corpo tão sem ti e nunca tido

para sempre só meu de nunca o ter

teu corpo que me dói no corpo ferido

onde nunca deixou nunca de doer

não sei de amor senão o amor perdido.

 

Não sei de amor senão o sem sentido

deste amor que não morre por morrer

o teu corpo tão nu nunca despido

o teu corpo tão vivo de o perder

neste amor que só é de não ter sido

não sei de amor senão esse não ter.

 

Não sei de amor senão o não haver

amor que dure mais do que o nunca tido.

Há um corpo que não para de doer

só esse é que não morre de tão perdido

só esse é sempre meu de nunca o ser

não sei de amor senão o amor ferido.

 

Não sei de amor senão o tempo ido

em que amor era amor de puro arder

tudo passa mas não o não ter tido

o teu corpo de ser e de não ser

só esse meu por nunca ter ardido

não sei de amor senão esse perder.

 

Cintilante na noite um corpo ferido

só nele de o não ter tido eu hei-de arder

não sei de amor senão amor perdido.

 

In “Livro Do Português Errante”

Publicações Dom Quixote

 

Manuel Alegre

(N.1936)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29

.Ano XVI

.posts recentes

. Recordando... Rui Pires C...

. Recordando... Sebastião d...

. Recordando... Augusto Mol...

. Recordando... Egito Gonça...

. Recordando... António Ram...

. Recordando... Maria Auror...

. Recordando... Maria Natál...

. Recordando... Amândio Cés...

. Recordando... Carlos Quei...

. Recordando... José Régio ...

.arquivos

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds