Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2022

Recordando... Hélia Correia

A TERCEIRA MISÉRIA É ESTA...

 

A terceira miséria é esta, a de hoje.

A de quem já não ouve nem pergunta.

A de quem não recorda. E, ao contrário

Do orgulhoso Péricles, se torna

Num entre os mais, num entre os que se entregam,

Nos que vão misturar-se como um líquido

Num líquido maior, perdida a forma,

Desfeita em pó a estátua.

 

In “A Terceira Miséria”

Relógio d’Água - 2012

 

Hélia Correia

(N.1949)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 19 de Fevereiro de 2022

Recordando... Egito Gonçalves

VIAGEM

 

Com um sobressalto cessa o realejo…

Outra vez o pequeno quarto, outra vez as paredes,

as sujas paredes albergando objectos familiares

de utilidade definida, visíveis a olho nu.

Outra vez tudo como antes da viagem. Agora

a, escada de corda atravessou a clarabóia,

parou no meio do quarto, desci por ela – Aqui estou!

A mulher que se desprende de mim e se levanta

é uma estranha e nua criatura… De onde a recordo?

Um odor irritante apossa-se do ar,

um odor acre sem nada de sobrenatural

mas que dissolve a escada de corda como um ácido.

Tudo está completo dentro da sua dimensão;

vem de longe o eco de risos e de vozes;

o sonho está cicatrizado. A mulher atravessa o quarto

e grita para além da porta, numa estridência aguda:

– ÁGUA.

 

In “ÁRVORE ”

Folhas de Poesia

1.º Fascículo - Outubro de 1951

Pág. 58

 

Egito Gonçalves

(1920-2001)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 13 de Fevereiro de 2022

Recordando... Artur do Cruzeiro Seixas

ERA UMA PEDRA FEMININA

 

Era uma pedra feminina

muito perto de uma pedra bem masculina

onde

a todo o comprimento do mastro

batiam os dentes das aves.

E o que restava das mãos mais antigas

pedia ainda dinamite

talheres avulso

mastodontes inviolados

alguns jovens em renda para bordar as estradas

hastes primaveris correndo o risco de se tornarem de bronze

acenando

a uma paisagem

hexagonal

maior que a soma de todas as janelas.

 

In “Obra Poética”

Porto Editora

 

Artur do Cruzeiro Seixas

(1920-2020)

Portugal

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 7 de Fevereiro de 2022

Recordando... Carlos Carranca

PESAM SOBRE MIM

 

Pesam sobre mim

séculos de silêncio e tradição

Pesam sobre mim

recordações enigmas

Pesam sobre mim

séculos de poemas

oblações paradigmas

Pesam sobre mim

esses lugares de origem

antiquíssimos eternos

subterrâneos dizem,,,

Sobre mim

na paz vingada dos mortos

Pesam séculos absortos

séculos.

 

In “Antologia de Poetas Figueirenses (1875-2013)”

 

Carlos Carranca

(N.1957)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 1 de Fevereiro de 2022

Recordando... António Gedeão **

POEMA DO HOMEM SÓ

 

Sós,

irremediavelmente sós,

como um astro perdido que arrefece.

Todos passam por nós

e ninguém nos conhece.

 

Os que passam e os que ficam.

Todos se desconhecem,

Os astros não se explicam:

arrefecem.

 

Nesta envolvente solidão compacta,

quer se grite ou não se grite,

nenhum dar-se de dentro se refracta

nenhum ser nós se transmite.

 

Quem sente o meu sentimento

sou eu só, e mais ninguém.

Quem sofre o meu sofrimento

sou eu só, e mais ninguém.

Quem estremece este meu estremecimento

sou eu só, e mais ninguém.

 

Dão-se os lábios, dão-se os braços,

dão-se os olhos, dão-se os dedos,

bocetas de mil segredos

dão-se em pasmados compassos;

dão-se as noites, dão-se os dias,

dão-se aflitivas esmolas,

abrem-se e dão-se as corolas

breves das carnes macias;

dão-se os nervos, dá-se a vida,

dá-se o sangue gota a gota,

como uma braçada rota

dá-se tudo e nada fica.

 

Mas este íntimo secreto

que no silêncio concentro,

este oferecer-se de dentro

num esgotamento completo,

este ser-se sem disfarce,

virgem de mal e de bem,

este dar-se, este entregar-se,

descobrir-se e desflorar-se,

é nosso, de mais ninguém.

 

(Teatro do Mundo)

 

In “Obra Completa de António Gedeão”

Editor Relógio d'Água

 

António Gedeão **

(1906-1997)

 

** Pseudónimo de Rómulo Vasco da Gama de Carvalho

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Ano XV

.posts recentes

. Recordando... Ricardo Rei...

. Recordando... Alexander S...

. Recordando... Fernando Pe...

. Recordando... Alberto Cae...

. Recordando... Álvaro de C...

. Recordando... José Terra ...

. Recordando... Vergílio Fe...

. Recordando... Luís Veiga ...

. Recordando... Manuel Antó...

. Recordando... Pedro Mexia

.arquivos

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds