Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2022

Recordando... Almeida Garrett

DESTINO

 

Quem disse à estrela o caminho
Que ela há-de seguir no céu?
A fabricar o seu ninho
Como é que a ave aprendeu?
Quem diz à planta «Floresce!»
E ao mudo verme que tece
Sua mortalha de seda
Os fios quem lhos enreda?

Ensinou alguém à abelha
Que no prado anda a zumbir
Se à flor branca ou à vermelha
O seu mel há-de ir pedir?

Que eras tu meu ser, querida,
Teus olhos a minha vida,
Teu amor todo o meu bem...
Ai! não mo disse ninguém.
Como a abelha corre ao prado,
Como no céu gira a estrela,
Como a todo o ente o seu fado
Por instinto se revela,
Eu no teu seio divino
Vim cumprir o meu destino...
Vim, que em ti só sei viver,
Só por ti posso morrer.

 

In “Folhas Caídas – Livro Primeiro”

 

Almeida Garrett

(1799-1854)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 25 de Janeiro de 2022

Recordando... Maria Almira Medina

O MENINO E A FLOR

 

Era uma vez um menino

 

Era uma vez o papão

Era uma vez milhões de homens

cobertos de maldição...

 

Medalhas de oiro

foguetes

bandeirinhas de mil cores

flores de papel aos centos

diplomas e honrarias

 

tronos penas de pavão

homenagens monumentos

discursos

desfalques

roubos

assassinatos

infâmias

ah! negreiros do meu tempo

traficantes e falsário

permitam o céu às aves

deixem crescer o menino

com uma flor no coração!

 

Era uma vez um menino

Era uma vez o papão

Era uma vez milhões de homens

cobertos de maldição...

 

A mentira anda na rua

passeia na praça pública

puxa os cabelos às moças

faz caretas

piruetas

e trejeitos

grita

cospe nas estrelas

rasga o menino

e arranca dele uma flor

 

que pisa a pés que desfaz!

Senhores polícias

não deixem

 

violar um coração

algemem a violadora

apanhem a flor do chão!

 

Era uma vez um menino

Era uma vez o papão

Era uma vez milhões de homens

cobertos de maldição...

 

In “Antologia da Poesia Feminina Portuguesa”

Organizada por António Salvado

Edições JF (Jornal do Fundão)

 

Maria Almira Medina

(1920-2016)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2022

Recordando... Al Berto **

É TARDE  MEU AMOR

 

é tarde meu amor

estou longe de ti com o tempo, diluíste-te nas veias das marés, na saliva de meu corpo sofrido

agora, tuas máquinas trituraram-me, cospem-me, interrompem o sono

habito longe, no coração vivo das areias, no cuspo límpido dos corais...

a solidão tem dias mais cruéis

 

tentei ser teu, amar-te e amar o falso ouro...quis ser grande e morrer contigo

enfeitar-me com as tuas luas brancas, pratear a voz em tuas águas de seda...cantar-te os gestos com ternura

mas não

 

águas, águas inquinadas pulsando dentro do meu corpo, como um peixe ferido, louco

em mim a lama... e o visco inocente dos teus náufragos sem nome-de-rua, nem estátua-de-jardim-público

aceito o desafio do teu desdém

 

na boca ficou-me um gosto a salmoura e destruição

apenas possuo o corpo magoado destas poucas palavras tristes que te cantam

 

In “O Medo”

Assírio & Alvim

 

Al Berto **

(1948-1997)

 

** Pseudónimo de Alberto Raposo Pidwell Tavares

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2022

Recordando... Mário Cesariny

DORME MEU FILHO

 

Dorme meu filho

dezenas de mãos femininas trabalham

a atmosfera

onde os namorados pensam

cartazes simples

um por exemplo

minúsculo crustáceo denominado ciclope

por baixo da pele ou entre os músculos

 

Dorme meu filho

o amor

será

uma arma esquecida

um pano qualquer como um lenço

sobre o gelo das ruas

 

In "Pena Capital"

Assírio & Alvim

 

Mário Cesariny

(1923-2006)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 7 de Janeiro de 2022

Recordando... Luiza Neto Jorge

BALADA APÓCRIFA

 

Olhai os lírios do campo

meninas de saia rodada

íris de teias de aranha

desvendam o mar nas searas

 

olhai os lírios do campo

em copos de limonada

 

Os soldados em manobras

enterram a sombra caiada

(Bebei os lírios de água

com grandes bicos de aves)

 

Sofreram sempre derrota

deixaram mãos enforcadas

em lençóis com clarins

grades de pernas doada

 

Olhai os lírios do campo

meninas virgens por dentro

 

Os soldados em manobras

têm noite por espingarda

Colhei os lírios do corpo

meninas de saia travada.

 

In “Poesia 1960-1989”

Assírio & Alvim

 

Luiza Neto Jorge

(1939-1989)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 1 de Janeiro de 2022

Recordando... Adolfo Casais Monteiro

O FIM DA NOITE

 

A nossa história é simples: somos

neste momento todo o amor na terra

e nada mais importa, senão

o que sou, verdade em ti,

o que és, verdade em mim.

Por isso este poema talvez não seja

mais que um silêncio pela noite,

nem verso, nem prosa, só

uma oração ao deus desconhecido.

 

Não é talvez senão o teu olhar,

e tua esquiva mágoa,

o teu riso e tuas lágrimas.

E o apelo dentro de mim

ao milagre de nos querermos,

com a mágoa e com o riso,

- e teu olhar que vê em mim.

 

Não sei pedir, sei só esperar.

Mas já houve o milagre. Estava

agora comigo ao longo das ruas, que antes

eram só casas de pálpebras cerradas.

Estava no silêncio, que antes

era mortal.

 

E tu, sem eu saber, estavas comigo.

E sem eu saber de súbito na treva

buliram asas

e sem eu saber era já dia.

 

In “Poesias Completas”

Editora Portugália  

 

Adolfo Casais Monteiro

(1908-1972)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.Ano XV

.posts recentes

. Recordando... Vergílio Fe...

. Recordando... Luís Veiga ...

. Recordando... Manuel Antó...

. Recordando... Pedro Mexia

. Recordando... Victor Oliv...

. Recordando... Lília da F...

. Recordando... Maria Azen...

. Recordando... Lídia Borge...

. Recordando... Alice Ogand...

. Recordando... Judith Tei...

.arquivos

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds