Quinta-feira, 31 de Outubro de 2019

Recordando... António Feijó

HYMNO Á ALEGRIA

 

(A Carlos Malheiro Dias)

 

 

Tenho-a visto passar, cantando, á minha porta,

E ás vezes, bruscamente, invadir o meu lar,

Sentar-se á minha mesa, e a sorrir, meia morta,

Deitar-se no meu leito e o meu somno embalar.

 

Tumultuosa, nos seus caprichos desenvoltos,

Quasi meiga, apesar do seu riso constante,

D'olhos a arder, labios em flor, cabellos soltos,

A um tempo é cortesã, deusa ingenua ou bachante...

 

Quando ella passa, a luz dos seus olhos deslumbra;

Tem como o sol d'inverno um brilho encantador;

Mas o brilho é fugaz, – scintilla na penumbra,

Sem que d'elle irradie um facho creador.

 

Quando menos se espera, irrompe d'improviso;

Mas foge-nos tambem com uma presteza egual;

E d'ella apenas fica um pállido sorriso

Traduzindo o desdem d'uma illusão banal.

 

Onda mansa que só á superficie corre,

Toda a alegria é vã; só a Dor é fecunda!

A Dor é a Inspiração, louro que nunca morre,

Se em nós crava a raiz exhaustiva e profunda!

 

No entanto, eu te saudo e louvo, hora dourada,

Em que a Alegria vem extinguir, de surpresa,

Como chuva a cair numa planta abrasada,

A fornalha em que a Dor se transmuta em Belleza!

 

Pensar, é certo, eleva o espirito mais alto;

Soffrer torna melhor o coração; depura

Como um crysol: a chispa irrompe do basalto,

Sae o oiro em fusão da escoria mais impura.

 

A Alegria é fallaz; só quem soffre não erra,

Se a Dor o eleva a Deus, na palavra que o louve;

A Alma, na oração, desprende-se da terra;

Jamais o homem é vão deante de Deus que o ouve!

 

E comtudo, – illusão! – basta  que ella sorria,

Basta vê-la de longe, um momento, a acenar,

Vamos logo em tropel, no capricho do dia,

Como ébrios, Evohé! atrás d'ella a cantar!

 

Mas se ella, de repente, ao nosso olhar se furta,

Todo o seu brilho é pó que anda no sol disperso;

A Alegria perfeita é uma aurora tão curta,

Que mal chega a doirar as cortinas do berço.

 

Ás vezes, essa luz de tão fragil encanto,

Vem ainda banhar certas horas da Vida,

Como um iris de paz numa névoa de pranto,

Crepitação, fulgor d'uma estrella perdida.

 

Então, no resplendor d'essa aurora bemdita,

Toma corpo a illusão, e sem áncias, sem penas,

O espirito remoça, o coração palpita,

Seja a nossa alma embora uma saudade apenas!

 

Mas ephémera ou vã, a Alegria... que importa?

Deusa ingenua ou bachante, o seu riso clemente,

Quando, mesmo de longe, echôa á nossa porta,

Deixa em louco alvoroço o coração da gente!

 

Momentánea ou fallaz, é sempre um dom divino,

Sol que um instante vem a nossa alma aquecer...

Podesse eu celebrar teu louvor no meu Hymno!

Momentáneo, fallaz encanto de viver!

 

O teu sorriso enxuga o pranto que choramos,

E eu não sei traduzir a ventura que exprimes!

Nesta sentimental lingua que nós falamos,

Só a Dor e a Paixão têm accordes sublimes!

 

(Mantem a grafia original)

 

In “Sol de Inverno”

 

António Feijó

(1859-1917)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 25 de Outubro de 2019

Recordando... Fernando Assis Pacheco

DESVERSOS

 

Não sei se li em Arnaldo Gama

ou no mapa do Automóvel Clube

envelhecer para morrer em paz

é melhor no Norte do que no Sul

                     

pergunta a douta Ordem dos Médicos

se tenho de ser severo e brusco

em questões destas sou terminante

morre-se mais descansado com saúde

                                    

atente bem o sr. bastonário

se uma doença triste não é o cúmulo

e há mais: nos doze meses seguintes

os familiares deviam evitar o luto

             

digo-o para tranquilizar a Nação

em época de crise tão profunda

um enterro no Norte chega a ser alegre

morteiros gigantones bandas de música!

            

In "A Musa Irregular"

Assírio & Alvim - 2006

 

Fernando Assis Pacheco

(1937-1995)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 19 de Outubro de 2019

Recordando... Saúl Dias

NUA

 

I

 

Nua

como Eva.

A cabeleira

beija-lhe o rosto oval e flutua;

o corpo

é água de torrente...

 

Eva adolescente,

com reflexos de lua

e tons de aurora...!

 

Roseira que enflora...!

 

Desflorada por tanta gente...

 

 II

 

Teu corpo,

mal o toquei...

 

Só te abracei

de leve...

 

Foi todo neve

o sonho que alonguei...

 

Asas em voo,

quem, um dia, as teve?

 

Os sonhos que eu sonhei!

 

 III

 

Jeito de ave

e criança,

suave

como a dança

do ramo de árvore

que o vento beija e balança!

 

Nave

de sonho

no temporal medonho

silvando agoiro!

 

Quem destrançou os teus cabelos de oiro?

 

IV

 

Corpo fino,

delicado,

sereno, sem desejos...

 

Tão macio,

tão modelado...

 

Beijos... Beijos... Beijos...

 

V

 

No meu sono

ela flutua

a cada passo...

 

Nua,

riscando o espaço

numa névoa de outono...

 

Apenas nos cabelos

um azulado laço...

 

E assim enlaço

a imagem sua...

 

In "Sangue"

Ed. Ser

 

In “Obra Poética”

Ed Campo das Letras

 

Saúl Dias **

(1902-1983)

 

** Pseudónimo de Júlio Maria dos Reis Pereira

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 13 de Outubro de 2019

Recordando... Cristovam Pavia

DESLUMBRAMENTO

 

A final as tuas lágrimas por mim são as gotas de orvalho

Na manhã que desponta!...

E o teu sorriso triste e profundo

E pôr-me de joelhos e beijar a terra húmida.~.

Quase choro de alegria!

 

In “ÁRVORE ”

Folhas de Poesia

Direcção e Edição de António Luís Moita, António Ramos Rosa,

José Terra, Luís Amaro, Raul de Carvalho

1.º Fascículo - Outubro de 1951

Pág. 17

 

Cristovam Pavia **

(1933-1968)

 

** Pseudónimo de Francisco António Lahmeyer Flores

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 7 de Outubro de 2019

Recordando... Pedro Homem de Mello

MATER DOLOROSA

 

A Mãe do Poeta chora
E a sua canção inquieta
Parece pedir perdão
Aos homens sem coração
Por ter um filho Poeta...

Na praia, em pequeno, um dia
Meteu-se à onda bravia
Que, à das águas, trazia
Um peixe cor do luar...
Mas a onda fez-se mansa.
Teve dó dessa criança
Cujo crime era sonhar!

Certa noite, à sua porta,
Vieram cantar os Reis
 – Ai! a de branco! a de branco!
Fulvo cabelo aos anéis...
Flor, entre os dedos, singela...
E ele, então, logo perdido,
Foi pela rua, atrás dela.
No rastro do seu vestido...

Aos vinte anos, cismador,
Esqueceu que havia as Sortes.
Magrinho, falho de cor...

Por isso, os mais, que eram fortes
(Os que tinham ido às Sortes!)
Lhe chamam desertor.

Em tardes de romaria,
Todo o mundo o viu bailar!
Quando o seu corpo bulia,
Subiam torres ao ar...
Por fim, calava-se a dança.
E ele, de novo, a criança,
Que a onda brava, depois mansa,
Recolhera no caminho...

Formou-se em Doutor de Leis.
Que pode a idade e os estudos?
Seus olhos ficaram mudos
À letra fria das leis.
Seus olhos só viam dança...
Se ainda era a mesma criança
Que ouvira cantar os Reis!

E a mãe do Poeta chora.
E a sua canção inquieta,
Perece pedir perdão
Aos homens sem coração
Por ter um filho Poeta..

 

In "Bodas Vermelhas"

Editorial Domingos Barreira.

 

Pedro Homem de Mello

(1904 -1984)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 1 de Outubro de 2019

Recordando... António Correia de Oliveira

MÃE

 

Olha, meu filho! quando, à aragem fria

De algum torvo crepúsculo, encontrares

Uma árvore velhinha, em modo e em ares

De abandono e outonal melancolia,

 

Não passes junto dela nesse dia

E nessa hora de bênçãos, sem parares;

Não vás, sem longamente a contemplares:

Vida cansada, trémula e sombria!

 

Já foi nova e floriu entre esplendores:

Talvez em derredor, dos seus amores

Inda haja filhos que lhe queiram bem...

 

Ama-a, respeita-a, ampara-a na velhice;

Sorri-lhe com bondade e com meiguice:

– Lembre-te, ao vê-la, a tua própria Mãe!

 

In “Antologia Poética”

 

António Correia de Oliveira

(1879-1960)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008

contador grátis

.Ano XIII

.posts recentes

. Recordando... Vasco Costa...

. Recordando... Edgar Carne...

. Recordando... Al Berto

. Recordando... António Fei...

. Recordando... Fernando As...

. Recordando... Saúl Dias

. Recordando... Cristovam ...

. Recordando... Pedro Homem...

. Recordando... António Cor...

. Recordando... Al Berto

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds