Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2015

Recordando... Guerra Junqueiro

A MOLEIRINHA

 

Pela estrada plana, toque, toque, toque,

Guia o jumentinho uma velhinha errante.

Como vão ligeiros, ambos a reboque,

Antes que anoiteça, toque, toque, toque,

A velhinha atrás, o jumentito adiante!...

 

Toque, toque, a velha vai para o moinho,

Tem oitenta anos, bem bonito rol!...

E contudo alegre como um passarinho,

Toque, toque, e fresca como o branco linho,

De manhã nas relvas a corar ao sol.

 

Vai sem cabeçada, em liberdade franca,

O jerico ruço duma linda cor;

Nunca foi ferrado, nunca usou retranca,

Tange-o, toque, toque, a moleirinha branca

Com o galho verde duma giesta em flor.

 

Vendo esta velhita, encarquilhada e benta,

Toque, toque, toque, que recordação!

Minha avó ceguinha se me representa...

Tinha eu seis anos, tinha ela oitenta,

Quem me fez o berço fez-lhe o seu caixão!...

 

Toque, toque, toque, lindo burriquito,

Para as minhas filhas quem mo dera a mim!

Nada mais gracioso, nada mais bonito!

Quando a virgem pura foi para o Egipto,

Com certeza ia num burrico assim.

 

Toque, toque, é tarde, moleirinha santa!

Nascem as estrelas, vivas, em cardume...

Toque, toque, toque, e quando o galo canta,

Logo a moleirinha, toque, se levanta,

P’ra vestir os netos, p’ra acender o lume...

 

Toque, toque, toque, como se espaneja,

Lindo o jumentinho pela estrada chã!

Tão ingénuo e humilde, dá-me, salvo seja,

Dá-me até vontade de o levar à igreja,

Baptizar-lhe a alma, p’ra a fazer cristã!

 

Toque, toque, toque, e a moleirinha antiga,

Toda, toda branca, vai numa frescata...

Foi enfarinhada, sorridente amiga,

Pela mó da azenha com farinha triga,

Pelos anjos loiros com luar de prata!...

 

Toque, toque, como o burriquito avança!

Que prazer d’outrora para os olhos meus!

Minha avó contou-me quando fui criança,

Que era assim tal qual a jumentinha mansa

Que adorou nas palhas o menino Deus...

 

Toque, toque, é noite... ouvem-se ao longe os sinos,

Moleirinha branca, branca de luar!...

Toque, toque, e os astros abrem diamantinos,

Como estremunhados querubins divinos,

Os olhitos meigos para a ver passar...

 

Toque, toque, e vendo sideral tesoiro,

Entre os milhões d’astros o luar sem véu,

O burrico pensa: Quanto milho loiro!

Quem será que mói estas farinhas d’oiro

Com a mó de jaspe que anda além no Céu!

 

in "Os Simples"

 

Guerra Junqueiro

(1850 – 1923)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2015

Recordando... Eugénio de Andrade

Soneto XXV

 

Shelley sem anjos e sem pureza,

aqui estou à tua espera nesta praça,

onde não há pombos mansos mas tristeza

e uma fonte por onde a água já não passa.

 

Das árvores não te falo pois estão nuas;

das casas não vale a pena porque estão

gastas pelo relógio e pelas luas

e pelos olhos de quem espera em vão.

 

De mim podia falar-te,mas não sei

que dizer-te desta história de maneira

que te pareça natural a minha voz.

 

Só sei que passo aqui a tarde inteira

tecendo estes versos e a noite

que te há-de trazer e nos há-de de deixar sós

 

(As Mãos e os Frutos)

 

In “Antologia Breve”

5ª ed. – Outubro.1985

Editora Limiar

 

Eugénio de Andrade **

(1923 – 2005)

 

** Pseudónimo de José Fontinhas

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2015

Recordando... Fernando Namora

TERRA

 

Onde ficava o mundo?

Só pinhais, matos, charnecas e milho

para a fome dos olhos.

Para lá da serra, o azul de outra serra e outra serra ainda.

E o mar? E a cidade? E os rios?

Caminhos de pedra, sulcados, curtos e estreitos,

onde chiam carros de bois e há poças de chuva.

Onde ficava o mundo?

Nem a alma sabia julgar.

Mas vieram engenheiros e máquinas estranhas.

Em cada dia o povo abraçava outro povo.

E hoje a terra é livre e fácil como o céu das aves:

a estrada branca e menina é uma serpente ondulada

e dela nasce a sede da fuga como as águas dum rio.

 

in "Novo cancioneiro"

 

Fernando Namora

(1919-1989)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 7 de Fevereiro de 2015

Recordando... Manuela Amaral

CANÇONETA

 

Não me importa

O que se saiba...

- Só me importa

O que te digo:

 

Já andei de braço dado,

Em braços desconhecidos,

Só para ter a ilusão

Que caminhava a teu lado

De braço dado contigo...

 

in "Hino Proibido"

Edição da Autora

 

Manuela Amaral

(1934-1995)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 1 de Fevereiro de 2015

Recordando... Miguel Torga

BIOGRAFIA

 

Sonho, mas não parece.

Nem eu quero que pareça.

É por dentro que eu gosto que aconteça

A minha vida.

Íntima, funda, como um sentimento

De que se tem pudor.

Vulcão de exterior

Tão apagado,

Que um pastor

Possa sobre ele apascentar o gado.

 

Mas os versos, depois,

Frutos do sonho e dessa mesma vida,

É quase à queima-roupa que os atiro

Contra a serenidade de quem passa.

Então, já não sou eu que testemunho

A graça

Da poesia:

É ela, prisioneira,

Que, vendo a porta da prisão aberta,

Como chispa que salta da fogueira,

Numa agressiva fúria se liberta.

 

In “Antologia Poética”

Edições Dom Quixote

 

Miguel Torga **

(1907 – 1995)

 

** Pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 31 de Janeiro de 2015

Recordando... Maria Ana Ferro

SE ME ESCOLHERES

 

Se me escolheres

Me quiseres como te quero

Se pegares em mim

E me guardares

Protege-me

E abriga-me

Não me deixes fugir

Não me largues

E faz-me tua

Faz-me tão tua

E única

E diferente de todos…

Se me escolheres

Me quiseres como te quero

Ama-me sempre

Sem mentira

Sem medo

Sem vontade de fugir

Com vontade de querer

E com desejo

De viver, rir

Crescer…

E faz de nós Um

Tão forte, grande

Único

Como a escolha feita

De nos querermos

Neste para sempre

Que é só nosso

Agora…

 

In “Vinho, Velas e Valquírias”

DG Edições - 2007

 

Maria Ana Ferro

N.1979

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 25 de Janeiro de 2015

Recordando... Rosa Lobato de Faria

PRIMEIRO A TUA MÃO SOBRE O MEU SEIO

 

Primeiro a tua mão sobre o meu seio.

Depois o pé - o meu - sobre o teu pé.

Logo o roçar urgente do joelho

e o ventre mais à frente na maré.

 

É a onda do ombro que se instala.

É a linha do dorso que se inscreve.

A mão agora impõe, já não embala

mas o beijo é carícia, de tão leve.

 

O corpo roda: quer mais pele, mais quente.

A boca exige: quer mais sal, mais morno.

Já não há gesto que se não invente,

ímpeto que não ache um abandono.

 

Então já a maré subiu de vez.

É todo o mar que inunda a nossa cama.

Afogados de amor e de nudez

somos a maré alta de quem ama

 

Por fim o sono calmo, que não é

senão ternura, intimidade, enleio:

o meu pé descansando no teu pé,

a tua mão dormindo no meu seio.

 

In “Cem Poemas Portugueses no Feminino”

Selecção e Org. de José Fanha e José Jorge Letria

Editora Terramar

 

Rosa Lobato de Faria

1932 – 2010

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2015

Recordando... Natália Correia

MÃOS FERIDAS NA PORTA DUM SILÊNCIO

 

Vida que às costas me levas

porque não dás um corpo às tuas trevas?

 

Porque não dás um som àquela voz

que quer rasgar o teu silêncio em nós?

 

Porque não dás à pálpebra que pede

aquele olhar que em ti se perde?

 

Porque não dás vestidos à nudez

que só tu vês?

 

In "Poesia Completa"

Publicações Dom Quixote

 

Natália Correia

1923 – 1993

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 13 de Janeiro de 2015

Recordando... José Régio

LÁGRIMA

 

Sem que eu a esperasse,

Rolou aquela lágrima

No frio e na aridez da minha face.

Rolou devagarinho...,

Até à minha boca abriu caminho.

Sede! o que eu tenho é sede!

Recolhi-a nos lábios e bebi-a.

Como numa parede

Rejuvenesce a flor que a manhã orvalhou,

Na boca me cantou,

Breve como essa lágrima,

Esta breve elegia.

 

In “Filho do Homem”

Portugália Editora

 

José Régio **

(1901 – 1969)

 

** Pseudónimo de José Maria dos Reis Pereira

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2015

Recordando... Luís Filipe Castro Mendes

UM SOPRO DO CORAÇÃO

 

Esquece o que eu escrevi, deita-te aqui perto

e ouve só as minhas palavras sem sentido,

o balbuciar que eu solto antes da voz,

tudo o que há tanto tempo trago preso na garganta.

 

Nem o ritmo da cantilena aprendida na infância,

nem a música da poesia:

 

ouve apenas o balbuciar, o sopro antes da voz,

quase um estertor, mas a dizer agora

que estamos vivos.

 

In “Lendas da Índia”

Publicações D. Quixote

 

Luís Filipe Castro Mendes

N. 1950

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Guerra Junq...

. Recordando... Eugénio de ...

. Recordando... Fernando Na...

. Recordando... Manuela Ama...

. Recordando... Miguel Torg...

. Recordando... Maria Ana F...

. Recordando... Rosa Lobato...

. Recordando... Natália Cor...

. Recordando... José Régio

. Recordando... Luís Filipe...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds