Sexta-feira, 1 de Setembro de 2017

Recordando... Nuno Júdice

GÉNESIS

 

No princípio era o verbo, e eu traduzia-o

em palavras com um sentido fundo como o poço

de onde as mulheres puxavam os baldes de água,

à tarde, para refrescar o chão de agosto. Nas

cordas de roupa do quintal, eu estendia as palavras

para as secar: e via o sol atravessá-las até ao osso,

dissecando o seu corpo mais vago — as vogais fechadas

do fim, ou a enunciação de um infinito

Até ao limite do verbo.

 

No principio também eram as coisas: umas

sobre as outras, no alinhamento curvo do destino,

corno se não estivessem para cair nessa trepidação

de rimas que um fim de verso pode trazer. Então,

levantava-as do chão onde se tinham partido em pedaços,

as coisas brancas da lua e as coisas vermelhas do sol,

e colava-as na parede, vendo o muro subir

até ao tecto celeste..

 

E no fim, volta a ser o verbo. Arranha-me a língua

com as suas unhas de consoantes; e pego-lhe ao colo,

para que não fira os pés nas pedras do campo, ouvindo

a sua voz de carne e oo escrever-me, no fundo

da cabeça, e a toda a largura da alma, a frase

redonda do amor. Trabalho a sua sintaxe, até

descobrir as articulações do segredo; e abraço

o corpo que nasce na conjugação

das suas pálpebras, abertas até ao fundo

dos olhos, onde te vejo.

 

In “O Estado dos Campos”

Publicações Dom Quixote

 

Nuno Júdice

(N. 1949)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 19 de Março de 2017

Recordando... Nuno Júdice

PARA ESCREVER O POEMA

 

O poeta quer escrever sobre um pássaro:

e o pássaro foge-lhe do verso.

O poeta quer escrever sobre a maçã:

e a maçã cai-lhe do ramo onde a pousou.

O poeta quer escrever sobre uma flor:

e a flor murcha no jarro da estrofe.

Então, o poeta faz uma gaiola de palavras

para o pássaro não fugir.

Então, o poeta chama pela serpente

para que ela convença Eva a morder a maçã.

Então, o poeta põe água na estrofe

para que a flor não murche.

Mas um pássaro não canta

quando o fecham na gaiola.

A serpente não sai da terra

porque Eva tem medo de serpentes.

E a água que devia manter viva a flor

escorre por entre os versos.

E quando o poeta pousou a caneta,

o pássaro começou a voar,

Eva correu por entre as macieiras

e todas as flores nasceram da terra.

O poeta voltou a pegar na caneta,

escreveu o que tinha visto,

e o poema ficou feito.

 

In “A Matéria do Poema”

Publicações D. Quixote

 

Nuno Júdice

(N. 1949)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 13 de Fevereiro de 2011

Recordando... Nuno Júdice

SONHEI CONTIGO

 

Sonhei contigo embora nenhum sonho
possa ter habitantes tu, a quem chamo
amor, cada ano pudesse trazer
um pouco mais de convicção a
esta palavra. É verdade o sonho
poderá ter feito com que, nesta
rarefacção de ambos, a tua presença se
impusesse - como se cada gesto
do poema te restituísse um corpo
que sinto ao dizer o teu nome,
confundindo os teus
lábios com o rebordo desta chávena
de café já frio. Então, bebo-o
de um trago o mesmo se pode fazer
ao amor, quando entre mim e ti
se instalou todo este espaço -
terra, água, nuvens, rios e
o lago obscuro do tempo
que o inverno rouba à transparência
da fontes. É isto, porém, que
faz com que a solidão não seja mais
do que um lugar comum saber
que existes, aí, e estar contigo
mesmo que só o silêncio me
responda quando, uma vez mais
te chamo.

 

 

In “Poesia Reunida 1967-2000”

Publicações D. Quixote

 

Nuno Júdice

N. 1949

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Nuno Júdice

. Recordando... Nuno Júdice

. Recordando... Nuno Júdice

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds