Sexta-feira, 4 de Julho de 2008

Recordando... Poetas do Séc. XIX (3)... António Nobre

MEMÓRIA

 

Ora isto, Senhores, deu-se em Trás-os-Montes,
Em terras de Borba, com torres e pontes.
Português antigo, do tempo da guerra,
Levou-o o Destino pra longe da terra.
Passaram os anos, a Borba voltou,
Que linda menina que, um dia, encontrou!
Que lindas fidalgas e que olhos castanhos!
E, um dia, na Igreja correram os banhos.
Mais tarde, debaixo dum signo mofino,
Pela lua nova, nasceu um menino.
Ó mães dos poetas! sorrindo em seu quarto,
Que são virgens antes e depois do parto!
Num berço de prata, dormia deitado,
Três moiras vieram dizer-lhe o seu fado
(E abria o menino seus olhos tão doces):
«Serás um Príncipe! mas antes... não fosses.»
Sucede, no entanto, que o Outono veio
E, um dia, ela resolve ir dar um passeio.
Calçou as sandálias, toucou-se de flores,
Vestiu-se de Nossa Senhora das Dores:
«Vou ali adiante, à Cova, em berlinda,
António e já volto...» E não voltou ainda!
Vai o esposo, vendo que ela não voltava,
Vai lá ter com ela, por lá se quedava.
Ó homem egrégio! de estirpe divina,
De alma de bronze e coração de menina!
Em vão corri mundos, não vos encontrei
Por vales que fora, por eles voltei.
E assim se criou um anjo, o Diabo, a lua;
Ai corre o seu fado! a culpa não é tua!
Sempre é agradável ter um filho Virgílio,
Ouvi estes carmes que eu compus no exílio,
Ouvi-os vós todos, meus bons Portugueses!
Pelo cair das folhas, o melhor dos meses,
Mas, tende cautela, não vos faça mal...
Que é o livro mais triste que há em Portugal!

 

 

In “SÓ”

Estante Editora

 

António Nobre

1867 – 1900

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (2) | favorito
Sábado, 24 de Maio de 2008

Recordando... Poetas naturais do Porto (Portugal)... António Nobre

NA PRAIA LÁ DA BOA NOVA

 

Na praia lá da Boa Nova, um dia,

Edifiquei (foi esse o grande mal)

Alto castelo, o que é a fantasia,

Todo de lápis-lazúli e coral!

 

Naquelas redondezas não havia

Quem se gabasse dum domínio igual:

Oh, castelo tão alto! parecia

O território dum senhor feudal!

 

Um dia (não sei quando, nem sei donde)

Um vento seco de deserto e spleen

Deitou por terra, ao pó que tudo esconde,

 

O meu condado, o meu condado, sim!

Porque eu já fui um poderoso conde,

Naquela idade em que se é conde assim…

 

Porto, 1887

 

In “SÓ” – Sonetos – 3

Estante Editora

 

António Nobre

1867 – 1900

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 1 de Outubro de 2007

Recordando... Poetas do Séc. XIX... António Nobre

AO CAIR DAS FOLHAS

 

 

Pudessem suas mãos cobrir meu rosto,

Fechar-me os olhos e compor-me o leito,

Quando, sequinho, as mãos em cruz no peito,

Eu me for viajar para o Sol-posto.

 

De modo que me faça bom encosto,

O travesseiro comporá com jeito,

E eu tão feliz! por não estar afeito,

Hei-de sorrir, Senhor! Quase com gosto.

 

Até com gosto, sim! Que faz quem vive

Órfão de mimos, viúvo de esperanças,

Solteiro de venturas, que não tive?

 

Assim, irei dormir com as crianças

Quase como elas, quase sem pecados...

E acabarão enfim os meus cuidados.

 

 

Clavadel, Outubro, 1895

 

(Este poema é dedicado a sua irmã Maria da Glória)

António Nobre

1867 – 1900

sinto-me: Radiante sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 21 de Maio de 2007

Recordar é viver... António Nobre

O SONO DO JOÃO

 

O João dorme... (Ó Maria,             Deixa-o dormir, até ser

Dize àquela cotovia                        Um velhinho... até morrer!

Que fale mais devagar:                 

Não vá, o João, acordar...)             E tu vê-lo-ás crescendo

                                                         A teu lado (estou-o vendo

                                                         João! que rapaz tão lindo!)

Tem só um palmo de altura          Mas sempre, sempre dormindo...

E nem meio de largura:

Para o amigo orangotango            Depois, um dia virá

O João seria... um morango!         Que (dormindo) passará

Podia engoli-lo um leão                 Do berço, onde agora dorme,

Quando nasce! As pombas são      Para outro, grande, enorme:

Um poucochinho maiores...          E as pombas que eram maiores

Mas os astros são menores!          Que João... ficarão menores!

 

O João dorme... Que regalo!          Mas para isso, ó Maria

Deixá-lo dormir, deixá-lo!              Dize aquela cotovia

Calai-vos, águas do moinho!         Que fale mais devagar:

Ó mar! fala mais baixinho...         Não vá, o João, acordar...

E tu, mãe! E tu, Maria!

Pede aquela cotovia                       E os anos irão passando.

Que fale mais devagar:

Não vá, o João, acordar...              Depois, já velhinho, quando

                                                         (Serás velhinha também)

O João dorme, o inocente!             Perder a cor que, hoje, tem,

Dorme, dorme eternamente,         Perder as cores vermelhas

Teu calmo sono profundo!             E for cheiinho de engelhas,

Não acordes para o mundo,          Morrerá sem o sentir,

Pode levar-te a maré:                     Isto é, deixa de dormir:

Tu mal sabes o que isto é...           Acorda e regressa ao seio

                                                         De Deus, que é donde ele veio...

Ó mãe canta-lhe a canção,

Os versos de teu irmão:                 Mas para isso, ó Maria!

" Na vida que a dor povoa              Pede aquela cotovia

Há só uma coisa boa,                     Que fale mais devagar:

Que é dormir, dormir, dormir...  

Tudo vai sem se sentir".                 Não vá, o João, acordar...

                                                             

                                                        

António Nobre

1867 – 1900

In Só – 1891

 

sinto-me: Radiante sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Poetas do S...

. Recordando... Poetas natu...

. Recordando... Poetas do S...

. Recordar é viver... Antón...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds