Sábado, 1 de Novembro de 2014

Recordando... Maria do Rosário Pedreira

MÃE, EU QUERO IR-ME EMBORA

 

Mãe, eu quero ir-me embora - a vida não é nada

daquilo que disseste quando os meus seios começaram

a crescer. O amor foi tão parco, a solidão tão grande,

murcharam tão depressa as rosas que me deram –

se é que me deram flores, já não tenho a certeza, mas tu

deves lembrar-te porque disseste que isso ia acontecer.

 

Mãe, eu quero ir-me embora - os meus sonhos estão

cheios de pedras e de terra; e, quando fecho os olhos,

só vejo uns olhos parados no meu rosto e nada mais

que a escuridão por cima. Ainda por cima, matei todos

os sonhos que tiveste para mim - tenho a casa vazia,

deitei-me com mais homens do que aqueles que amei

e o que amei de verdade nunca acordou comigo.

 

Mãe, eu quero ir-me embora - nenhum sorriso abre

caminho no meu rosto e os beijos azedam na minha boca.

Tu sabes que não gosto de deixar-te sozinha, mas desta vez

não chames pelo meu nome, não me peças que fique –

as lágrimas impedem-me de caminhar e eu tenho de ir-m

embora, tu sabes, a tinta com que escrevo é o sangue

de uma ferida que se foi encostando ao meu peito como

uma cama se afeiçoa a um corpo que vai vendo crescer.

 

Mãe, eu vou-me embora - esperei a vida inteira por quem

nunca me amou e perdi tudo, até o medo de morrer. A esta

hora as ruas estão desertas e as janelas convidam à viagem.

Para ficar, bastava-me uma voz que me chamasse, mas

essa voz, tu sabes, não é a tua - a última canção sobre

o meu corpo já foi há muito tempo e desde então os dias

foram sempre tão compridos, e o amor tão parco, e a solidão

tão grande, e as rosas que disseste que um dia chegariam

virão já amanhã, mas desta vez, tu sabes, não as verei murchar.

 

In 'O Canto do Vento nos Ciprestes'

Editora Gótica

 

Maria do Rosário Pedreira

N.1959

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 5 de Fevereiro de 2012

Recordando... Miguel Torga

MÃE

 

Mãe:

Que desgraça na vida aconteceu,

Que ficaste insensível e gelada?

Que todo o teu perfil se endureceu

Numa linha severa e desenhada?

 

Como as estátuas, que são gente nossa

Cansada de palavras e ternura,

Assim tu me pareces no teu leito.

Presença cinzelada em pedra dura,

Que não tem coração dentro do peito.

 

Chamo aos gritos por ti — não me respondes.

Beijo-te as mãos e o rosto — sinto frio.

Ou és outra, ou me enganas, ou te escondes

Por detrás do terror deste vazio.

 

Mãe:

Abre os olhos ao menos, diz que sim!

Diz que me vês ainda, que me queres.

Que és a eterna mulher entre as mulheres.

Que nem a morte te afastou de mim!

 

In “Diário IV”

Editora Coimbra

 

Miguel Torga *

1907 – 1995

 

 

* Pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha

publicado por cateespero às 12:53
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010

Recordando... Antero Quental... Poeta do Séc. XIX

 MÃE…

 

 Mãe – que adormente este viver dorido,
 E me vele esta noite de tal frio,
 E com as mãos piedosas até o fio
 Do meu pobre existir, meio partido…

 Que me leve consigo, adormecido,
 Ao passar pelo sítio mais sombrio…
 Me banhe e lave a alma lá no rio
 Da clara luz do seu olhar querido…

 Eu dava o meu orgulho de homem – dava
 Minha estéril ciência, sem receio,
 E em débil criancinha me tornava,

 Descuidada, feliz, dócil também,
 Se eu pudesse dormir sobre o teu seio,
 Se tu fosses, querida, a minha mãe!

 

 

In “Sonetos Completos”

Publicações Anagrama – Maio.1980

 

Antero Quental

1842 – 1891

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

Recordando... Ferreira da Costa

MINHA MÃE

 

Rosa, flor do coração,

de sete amores em botão

quinze rebentos brotaram;

entre eles, oito floriram,

catorze botões surgiram,

novas Rosas germinaram.

Quantas mais tu irás ver?...

Mais botões irão nascer

das Rosas, da lei da vida;

noventa pétalas, Rosa,

do jardim és flor ditosa

dos botões, Rosa querida.

Neste dia, nossa mãe

que noventa anos tem

sobre a luz dos olhos seus;

tem a sorte de ver flores,

essência de seus amores,

prendas da vida, de Deus.

Mãe! Estás de parabéns,

uma grande herança tens

neste jardim de verdade;

Deus te dê muita saúde,

paz, amor, a plenitude,

da sublime felicidade.

 

24/04/2007

 

In “Triângulos Poéticos I”

1ª. Edição – Abril de 2008

artEscrita Editora

 

Ferreira da Costa

N. 1945

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sábado, 16 de Maio de 2009

Recordando... Deolinda Reis

MÃE…

 

Hoje em ti pensei,

longe do murmúrio,

da existência do meu ser

que em ti deixei

quando decidi nascer.

 

Hoje parei para reflectir

nessa tua imagem de mulher,

quedada ao ver-me sorrir,

numa etapa de vida qualquer,

incentivando-me a seguir.

 

És o tesouro qu’em mim guardei

e que sempre irei recordar.

Irás em mim permanecer

porque me vais acompanhar

para nunca me perder,

 

porque em minhas quedas de criança

amparaste-me com determinação,

orientaste estes meus passos,

agarrando sempre a minha mão.

 

 

In “No Silêncio das Palavras”

1ª Edição – Setembro.2007

artEscrita Editora, Lda.

 

Deolinda Reis

N. 1964

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Terça-feira, 12 de Maio de 2009

Recordando... Eugénio de Andrade

POEMA À MÂE

 

No mais fundo de ti
eu sei que te traí, mãe.

 

Tudo porque já não sou
o menino adormecido
no fundo dos teus olhos.

 

Tudo porque ignoras
que há leitos onde o frio não se demora
e noites rumorosas de águas matinais.

 

Por isso, às vezes, as palavras que te digo
são duras, mãe,
e o nosso amor é infeliz.

 

Tudo porque perdi as rosas brancas
que apertava junto ao coração
no retrato da moldura.

 

Se soubesses como ainda amo as rosas,
talvez não enchesses as horas de pesadelos.

 

Mas tu esqueceste muita coisa;
esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!

 

Olha – queres ouvir-me? –
às vezes ainda sou o menino
Que adormeceu nos teus olhos;

 

ainda aperto contra o coração
rosas tão brancas
como as que tens na moldura;

 

Ainda oiço a tua voz:
           
Era uma vez uma princesa
           No meio do laranjal...

 

Mas – tu sabes - a noite é enorme,
e todo o meu corpo cresceu.
eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber.

 

Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.

 

Boa noite. Eu vou com as aves.

 

 

In "Antologia Breve "

5ª. Edição – Outubro 1985

Editora Limiar

 

Eugénio de Andrade

1923 – 2005

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 8 de Maio de 2009

Recordando... Isabel Seixas

MÃE MENINA

 

Ouvi chamar-te mãe

Olhei incrédula

Ouvi dizer filho vem

Fiquei de pedra

 

Teus olhos brilhantes

Tez de porcelana

Expressões adolescentes

Olhar de quem ama

 

Levas pela mão

Esse filho irmão

De tão tenra idade

És sensibilidade

 

Mãe menina

Quem é que destina

Essa tua sorte

Quem te denomina

Mãe sem te dar o porte

 

Mãe menina

Quem te leu a sina

E te deu o mote

Para esta rima

A de Mãe precoce

 

Mãe menina menina Mãe

Tu que dás teu colo

Para consolo

Precisas também

De um colo de alguém

 

 

In “Resquícios de Luz”

Colecção Sinais de Poesia

Edição de Formasau – Coimbra

 

Isabel Seixas

N. 1961

 

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 6 de Maio de 2007

PARA A MINHA E PARA TODAS AS MÃES DO MUNDO...

 

MÃE

 

 

 

Mãe, Mãe!

Inclina-te para mim

e deixa-me beijar

o teu rosto.

Saltar ao teu pescoço

e enlear-te

num abraço apertado.

 

Permite que meus lábios

digam alegremente

o que me vai na alma

em confissão veemente:

 

Mãe, Mãe!

Tu és todo o meu ser

a sombra amiga

que me ampara e guia

e que me faz viver!...

 

 

 

 

Irene Lourenço Martins

In Fátima Missionária

 

 

 

sinto-me: Radiante sempre...
tags: ,
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 25 de Abril de 2007

À minha mãe que hoje completa 86 anos...

MÃE PRECISO DE TI!

 

Mãe preciso de ti!

 

Preciso dos teus olhos

para me ensinares

a ver e a respeitar

aquilo que não tendo forma

eu não consigo tocar.

 

Mãe preciso de ti!

 

Preciso dos teus braços

para me abraçares

quando a chorar

vou aninhar-me no teu colo

e me fazes esquecer

o desgosto que acabei de ter.

 

Mãe preciso de ti!

 

Preciso das tuas mãos

para me ensinares

a colher uma margarida

sem destruir as outras

ou deixar a planta ferida.

 

Mãe preciso de ti!

 

Preciso da tua paciência

para me ouvires

contar as fantasias

que consigo imaginar

sem o meu sonho destruíres.

 

Mãe preciso de ti!

 

Preciso da tia inteligência

para deixares

que eu faça, sem interferências,

as minhas próprias experiências

e que te descreva aquilo

que para ti é evidente

de maneira completamente

diferente.

 

Mãe preciso de ti!

 

Preciso da tua presença

para poder compreender

as forças da Natureza

e ter realmente existência

na tua ausência.

 

Mãe preciso de ti!

 

Preciso que sejas adulta

para que eu possa crescer

com esperança

e ser agora apenas

Criança.

 

Ana Bela

In Livro "Fala a Meus Amigos"

 

 

 

 

sinto-me: Muito feliz...
: Xaile de minha mãe.
tags: ,
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (2) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Maria do Ro...

. Recordando... Miguel Torg...

. Recordando... Antero Quen...

. Recordando... Ferreira da...

. Recordando... Deolinda Re...

. Recordando... Eugénio de ...

. Recordando... Isabel Seix...

. PARA A MINHA E PARA TODAS...

. À minha mãe que hoje comp...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds