Domingo, 31 de Agosto de 2014

Recordando... Fiama Hasse Pais Brandão

SEBASTIÃO REI

 

Não chegou de manto

nem com lenço e pranto

 

Não entrou a barra

com pendão e amarra

 

Não veio em ginete

com a sua gente

 

Não voltou da guerra

com os mortos dela

 

Não voltou da púrpura

com ferida ou sutura

 

Não voltou de coroa

nem ceptro a Lisboa

 

Não veio da batalha

com trajo de gala

 

Não trouxe burel

nem viseira e elmo

 

Nem trajou de estopa

nem demandou porto

 

Não veio doente

nem com mantimentos

 

Não chegou na frota

ou deu à costa

 

Nem alçou pendão

nem selo de mão

 

Nem veio às matinas

com saio de linho

 

Nem calçou pelica

com fivela e vira

 

Não voltou ao cais

nem em mês ou ano

 

Perdeu arrais

e tendas de pano

 

In “Barcas Novas”

Editora Ulisseia

 

Fiama Hasse Pais Brandão

1938 – 2007   

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 1 de Abril de 2012

Recordando... Fiama Hasse Pais Brandão

NA RUA DAS MÓNICAS

Nos meus vinte anos,
almoçar em casa de Sofia
era ouvir ferver em cachão, frigir
na cozinha, arfar a cafeteira da poesia.
Era ver a ama de Sofia,
e de todos os filhos, de muitos versos,
cuidar de muitas gerações de memórias,
no lar desses versos tão caseiros.
E era beber, ali, na mesa, uma água
que, mais do que a da torneira,
concitou o mar para cada copo.
Era olhar um rosto de coral
(o que exorciza as Fúrias, na cozinha)
um rosto de mar novo, de geografia.
Era escutar as palavras da boca
do vocábulo grego para a sabedoria
o que me confirma o poder dos nomes,
ao serem Verbo, sobre os seres e as coisas.
Era sentar-me, lado a lado,
no espaço irradiante da volúvel lareira,
no Outono apagada, na Primavera acesa,
e com o fogaréu alimentado
por papéis venais de outra política
(que não a da sua humanidade),
que a prudência mandava destruir no fogo.
Era entrar e sair pela porta das Mónicas,
a das mulheres congregadas
sob invocação da mãe de Agostinho,
o que para mim celebrava também
o amor da mãe, da velha ama, da Poesia.


In “Cenas Vivas”

Relógio d’Água Editores – 2000

 

Fiama Hasse Pais Brandão

1938 – 2007

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quarta-feira, 31 de Agosto de 2011

Redordando... Fiama Hasse Pais Brandão

POEMA PARA A PADEIRA QUE ESTAVA

A FAZER PÃO ENQUANTO SE TRAVAVA

A BATALHA DE ALJUBARROTA

 

Está sobre a mesa e repousa

o pão

como uma arma de amor

em repouso

 

As armas guardam no campo

todo o campo

Já os mortos não aguardam

e repousam

 

Dentro de casa ela aguarda

abrir o forno

Ela em mão que prepara

o amor

 

Pelos campos todos armas

não repousam

mais os mortos

ter amor

 

Sobre a mesa põe as mãos

pôs o pão

Fora de casa o rumor

sem repouso

 

Ela agora abre o fogo

para o pão

em repouso ela ouve os mortos

lá de fora

 

Lá de fora entram armas

os homens

As mãos dela não repousam

acolhem

 

Sobre a mesa pôs o pão

arma de paz

Contra as armas da batalha

arma de mão

 

Contra a batalha das armas

não repousa

Caem contra a mesa os mortos

contra o forno

 

Outra paz não defende ela

que a do pão

Defende a paz que é da casa

e das mãos

 

 

In “Barcas Novas”

Editora Ulisseia

 

Fiama Hasse Pais Brandão

1938 – 2007

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Fiama Hasse...

. Recordando... Fiama Hasse...

. Redordando... Fiama Hasse...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds