Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2016

Recordando... António Feijó

PRINCESA ENCANTADA

 

Formosa Princesa dormia ha cem annos;

Dormia ou sonhava... Ninguem o sabia.

Passavam-se os dias, passavam-se os annos,

E a linda Princesa dormia, dormia,

Dormia ha cem annos!

 

Em torno, sentadas, dormiam as Damas,

Cobertas de joias, cobertas de lhamas;

 

Com formas e aspectos de finas imagens,

Esbeltos e loiros, dormiam os pagens.

 

E ás portas de bronze, por terra halabardas,

Num somno profundo dormiam os guardas.

 

Lá fóra, na sombra dos parques discretos,

Nem aves gorgeiam, nem zumbem insectos.

 

As arvores sonham, na sombra dos poentes,

Immoveis, á beira dos lagos dormentes.

 

E as fontes que d'antes sonoras gemiam,

Somnambulas mudas, apenas corriam...

 

Um dia, de longe, de terras distantes,

Com pagens, arautos, donzeis, passavantes,

 

Bandeiras ao vento, clarins, atabales,

Echoando a distancia por montes e valles,

 

– Um principe, herdeiro d'um throno potente,

Com olhos suaves d'aurora nascente,

 

Excelso e formoso, magnanimo e moço,

– Correndo aventuras, num grande alvoroço,

 

Chegou ao Castello, que ha tanto dormia,

Como uma alvorada, prenuncia do dia...

 

E ao ver a princesa, sentada em seu throno,

N'aquelle profundo, extactico somno,

 

Tomado d'estranha, indizivel surpresa,

Na boca entreaberta da linda Princesa,

 

Tremendo e sorrindo, seu labio collou-se

N'um beijo, que ao labio a alma lhe trouxe.

 

Accorda a Princesa; despertam as Damas,

As faces ardentes, os olhos em chamas.

 

Despertam os Pagens, nos seus escabellos,

Com halos de fogo nos loiros cabellos.

 

Accordam os guardas; e, tudo desperto,

A vida renasce no parque deserto.

 

Suspiram as fontes; gorgeiam as aves,

Das áleas profundas nas sombras suaves.

 

As arvores tremem, no ar transparente,

Á brisa que sopra, como halito ardente.

 

Nas torres, os sinos repicam de festa;

O povo em choreias enchia a floresta...

 

E a linda Princesa, seus olhos fitando

No Principe excelso, sorrindo e còrando,

 

– «Sonhava comtigo...» Porque é que tardaste?

Mas já nesse instante, formando contraste,

 

Quando isto dizia, erguendo-se a medo,

A voz parecia trahir o segredo

 

De quem, num relance, talvez lamentasse

Que sonho tão lindo tão cedo acabasse!...

 

A linda Princesa sonhava ha cem annos,

E fóra do Sonho só há desenganos...

 

[mantém a grafia original]

 

In “Sol de Inverno”

Livrarias Aillaud e Bertrand - 1922

 

António Feijó

(1859-1917)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quinta-feira, 7 de Julho de 2016

Recordando... António Feijó

HINO À BELEZA

 

Onde quer que o fulgor da tua glória apareça,

– Obra de génio, flor d’heroísmo ou santidade,

Da Gioconda imortal na radiosa cabeça,

Num acto de grandeza augusta ou de bondade,

 

– Como um pagão subindo à Acrópole sagrada,

Vou de joelhos render-te o meu culto piedoso,

Ou seja o Herói que leva uma aurora na Espada,

Ou o Santo beijando as chagas do Leproso.

 

Essa luz sem igual com que sempre iluminas

Tudo o que existe em nós de grande e puro, veio

Do mesmo foco em mil parábolas divinas:

– Raios do mesmo olhar, ânsias do mesmo seio.

 

Alta revelação que, baixando em segredo,

O prisma humano quebra em ângulos dispersos,

Como a água a cair de rochedo em rochedo

Repete o mesmo som, mas em modos diversos.

 

É audácia no Herói; resignação no Santo;

Som e Cor, ondulando em formas imortais;

No mármore rebelde abre em folhas de acanto,

E esmalta de candura a flora dos vitrais.

 

Oh Beleza! Oh Beleza! as Horas fugitivas

Passam diante de ti, aladas como sonhos...

Que importa onde elas vão, doutra força cativas,

Se o Infinito luz nos teus olhos risonhos?!

 

Abrem flores, cantando, ao teu hálito ardente,

Brilham as aves como estrelas, e as estrelas,

Como flores enchendo a noite refulgente,

Deixam-se resvalar sobre quem vai colhê-las...

 

És tu que às ilusões dás juventude e forma,

Tu, que talvez do céu, d’onde vens, te recordes

Quando, a ouvir-nos chorar, a tua voz transforma

Dissonâncias de dor em imortais acordes.

 

Vejo-te muita vez, – luz d’aurora ou de raio, –

Como um gládio de fogo a avançar no horizonte;

Ou então, em manhãs transparentes de maio,

Náiade toda nua a fugir d’uma fonte.

 

Outras vezes, de noite e a ocultas, apareces,

Como ovelha que Deus do seu redil tresmalha,

Trazendo no regaço inesgotáveis messes,

Que Ele por tuas mãos sobre a miséria espalha...

 

Pudesse eu revelar-te em estrofes aladas,

Que partissem ao sol refulgindo em lavores,

Com rimas d’oiro, em blau e púrpura engastadas,

Como versos que vão desabrochando em flores!

 

Mas a língua não é sumptuosa bastante

Para nela deixar teu génio circunscrito;

Trago-te dentro em mim, sinto-te a cada instante,

E a voz nem mesmo tem a eloquência d’um grito!

 

Mas se para o teu culto, em esplendor externo,

Não encontro uma prece altamente expressiva,

Por ti meu coração arde d’um fogo eterno,

Como chama a tremer de lâmpada votiva!

 

In “Sol de Inverno”

 

António Feijó

(1859-1917)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 25 de Abril de 2015

Recordando... António Feijó

O AMOR E O TEMPO

 

Pela montanha alcantilada

Todos quatro em alegre companhia,

O Amor, o Tempo, a minha Amada

E eu subíamos um dia.

 

Da minha Amada no gentil semblante

Já se viam indícios de cansaço;

O Amor passava-nos adiante

E o Tempo acelerava o passo.

 

— «Amor! Amor! mais devagar!

Não corras tanto assim, que tão ligeira

Não corras tanto assim, que tão ligeira

Não pode com certeza caminhar

A minha doce companheira!»

 

— Súbito, o Amor e o Tempo, combinados,

Abrem as asas trémulas ao vento...

— «Por que voais assim tão apressados?

Onde vos dirigis?» — Nesse momento.

 

Volta-se o Amor e diz com azedume:

— «Tende paciência, amigos meus!

Eu sempre tive este costume

De fugir com o Tempo... Adeus! Adeus!»

 

In “Sol de Inverno seguido de Vinte Poesias Inéditas”,

Introd., bibliog. e notas de Álvaro Manuel Machado

INCM - Imprensa Nacional

 

António Feijó

(1859-1917)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 19 de Agosto de 2014

Recordando... António Feijó

O AMOR E O TEMPO

 

Pela montanha alcantilada

Todos quatro em alegre companhia,

O Amor, o Tempo, a minha Amada

E eu subíamos um dia.

 

Da minha Amada no gentil semblante

Já se viam indícios de cansaço;

O Amor passava-nos adiante

E o Tempo acelerava o passo.

 

– «Amor! Amor! mais devagar!

Não corras tanto assim, que tão ligeira

Não pode com certeza caminhar

A minha doce companheira!»

 

Súbito, o Amor e o Tempo, combinados,

Abrem as asas trémulas ao vento...

– «Por que voais assim tão apressados?

Onde vos dirigis?» – Nesse momento.

 

Volta-se o Amor e diz com azedume:

– «Tende paciência, amigos meus!

Eu sempre tive este costume

De fugir com o Tempo... Adeus! Adeus!»

 

In “Sol de Inverno”

Biblioteca de Autores Portugueses

INCM - Imprensa Nacional – 1966

 

António Feijó

1859 – 1917

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2013

Recordando... António Feijó

EU E TU

 

Dois! Eu e Tu, num ser indissolúvel! Como

Brasa e carvão, centelha e lume, oceano e areia,

Aspiram a formar um todo, – em cada assomo

A nossa aspiração mais violenta se ateia...

 

Como a onda e o vento, a lua e a noite, o orvalho e a selva,

– O vento erguendo a vaga, o luar doirando a noite,

Ou o orvalho inundando as verduras da relva –

Cheio de ti, meu ser d’eflúvios impregnou-te!

 

Como o lilás e a terra onde nasce e floresce,

O bosque e o vendaval desgrenhando o arvoredo,

O vinho e a sede, o vinho onde tudo se esquece,

– Nós dois, d'amor enchendo a noite do degredo,

 

Como parte dum todo, em amplexos supremos

Fundindo os corações no ardor que nos inflama,

Para sempre um ao outro, Eu e Tu pertencemos,

Como se eu fosse o lume e tu fosses a chama.

 

 

In “Sol de Inverno”

Edição de ?

Publicado em 1922

 

António Feijó

1859 – 1917

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 17 de Abril de 2011

Recordando... António Feijó

CABELLOS BRANCOS

 

Não repares na cor dos meus cabellos

Sem ler primeiro Anacreonte;

Verás que os sonhos juvenis, mais bellos,

Tambem se evolam d'enrugada fronte.

 

O espirito do Poeta é sempre moço;

O Coração nunca envelhece...

Basta um sorriso, um nada, um alvoroço,

E tudo nelle se illumina e aquece.

 

Deusas d'eterna graça adolescente,

Jamais as Musas desdenharam

Da luz que treme incendiando o poente,

Dos rouxinoes que ao pôr do sol cantaram.

 

Fina e fragil vergontea melindrosa,

Que foi na ceifa abandonada,

Ruth, apesar de moça e de formosa,

Nos braços de Booz dorme encantada.

 

Quantas flores d'inédita fragrancia

Em mãos provectas vão abrindo...

Abisag, ao sair quasi da infancia,

No leito de David entrou sorrindo.

 

E d'esse beijo, inverno e primavera,

D'esse connubio, oh maravilha!

Como se a ruina fecundasse a hera,

Veio á luz uma estrella, que ainda brilha.

 

Esculpturaes patricias, d'olhos ledos,

Quem as lembrara, se deixassem

Que mãos obscuras, mercenários dedos,

A velhice d'Horacio engrinaldassem?

 

Quantos nomes illustres! quantos casos!

Mas que direi mais eloquente?

Não ha dias tão pallidos, e occasos

Como explosões d'uma cratera ardente?

 

Não repares na côr dos meus cabellos;

A branda luz que nelles arde,

Como o poente, das nuvens faz castellos,

Tinge d'alva o crepusculo da tarde...

 

Muita vez os cabellos embranquecem

Na dor d'horriveis soffrimentos...

Não são os annos que nos envelhecem;

«São certas horas más, certos momentos...»

 

 

In “Sol de Inverno”

Livrarias Aillaud E Bertrand – 1922

 

António Feijó

1859 – 1917

 

MANTEM A GRAFIA ORIGINAL

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 9 de Julho de 2010

Recordando... António Feijó

NOITE PERDIDA

 

Coitado do Rouxinol!

 

Passou a noite ao relento,

Do pôr ao nascer do Sol,

Sem descansar um momento,

Sempre a cantar, sem dormir,

Absorto no pensamento

De ver uma Rosa a abrir...

 

Coitado do Rouxinol!

 

Passou a noite ao relento,

Do pôr ao nascer do Sol,

Sempre a cantar, sem dormir...

Mas o mísero – coitado!

Cantando tão requebrado,

Com tal cuidado velou,

Que adormeceu de cansado,

E os olhos tristes cerrou

No minuto, no momento

Em que ao luar e ao relento

A Rosa desabrochou...

 

Coitado do Rouxinol!

 

Com tal cuidado velou

Do pôr ao nascer do Sol,

E tanto, tanto cantou,

A noite inteira ao relento,

Que de fadiga e tormento,

Sem descansar, sem dormir,

Fecha os olhos, perde o alento

No minuto, no momento

Em que a Rosa vai abrir...

 

Coitado do Rouxinol!

 

 

 

In “Leituras”

2º Tomo – 1ª Edição

Tip. Silvas, Lda.

 

António Feijó

1859 – 1917

 

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... António Fei...

. Recordando... António Fei...

. Recordando... António Fei...

. Recordando... António Fei...

. Recordando... António Fei...

. Recordando... António Fe...

. Recordando... António Fei...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds