Quarta-feira, 30 de Novembro de 2016

Recordando... Adolfo Casais Monteiro

REALIDADE

 

A realidade é apenas

uma luz por dentro das coisas. Teia

em que se enreda o olhar que traz

dentro de si o amor do mundo.

Vaso que dá forma à

toalha líquida dos instantes. Suspensa

ponte sobre as margens do tempo.

Baste ao amor a adivinhação, ao sorriso

a presença de um sonho.

A luz floresce em qualquer parte.

 

In "Heras e Eras"

 

Adolfo Casais Monteiro

(1908-1972)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 25 de Novembro de 2016

Recordando... António Botto

PASSEI O DIA OUVINDO O QUE O MAR DIZIA

 

Eu ontem passei o dia

Ouvindo o que o mar dizia.

Chorámos, rimos, cantámos.

Falou-me do seu destino,

Do seu fado...

 

Depois, para se alegrar,

Ergueu-se, e bailando, e rindo,

Pôs-se a cantar

Um canto molhado e lindo.

 

O seu hálito perfuma,

E o seu perfume faz mal!

Deserto de águas sem fim.

Ó sepultura da minha raça

Quando me guardas a mim?...

 

Ele afastou-se calado;

Eu afastei-me mais triste,

Mais doente, mais cansado...

Ao longe o Sol na agonia

De roxo as águas tingia.

 

«Voz do mar, misteriosa;

Voz do amor e da verdade!

- Ó voz moribunda e doce

Da minha grande Saudade!

Voz amarga de quem fica,

Trémula voz de quem parte...»

.........................................

 

E os poetas a cantar

São ecos da voz do mar!

 

In “As Canções de António Botto”

Ed. Presença – 1980

 

António Botto

(1897-1959)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 19 de Novembro de 2016

Recordando... Al Berto

RECADO

 

ouve-me

que o dia te seja limpo e

a cada esquina de luz possas recolher

alimento suficiente para a tua morte

 

vai até onde ninguém te possa falar

ou reconhecer - vai por esse campo

de crateras extintas - vai por essa porta

de água tão vasta quanto a noite

 

deixa a árvore das cassiopeias cobrir-te

e as loucas aveias que o ácido enferrujou

erguerem-se na vertigem do voo - deixa

que o outono traga os pássaros e as abelhas

para pernoitarem na doçura

do teu breve coração - ouve-me

 

que o dia te seja limpo

e para lá da pele constrói o arco de sal

a morada eterna - o mar por onde fugirá

o etéreo visitante desta noite

 

não esqueças o navio carregado de lumes

de desejos em poeira - não esqueças o ouro

o marfim - os sessenta comprimidos letais

ao pequeno-almoço

 

In "Horto de Incêndio"

Assírio & Alvim

 

Al Berto **

(1948-1997)

 

** Pseudónimo de Alberto Raposo Pidwell Tavares

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 13 de Novembro de 2016

Recordando... Manuela Amaral

TENHO A SAÚDE DOENTE

 

Tenho a saúde doente.

 

Tenho a barriga nos ombros

e a cabeça no ventre.

 

Tenho os pulmões nos ouvidos

e o coração está na boca.

 

Penso com os pés

com as mãos

 

e no meio da confusão

ando de pernas para o ar.

 

Tenho a saúde doente

 

por ser poeta

e ser louca.

 

In "Tempo de Passagem”

Editora Fora do Texto

 

Manuela Amaral

(1934-1995)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 7 de Novembro de 2016

Recordando... Mário Cesariny

FAZ-ME O FAVOR...

 

Faz-me o favor de não dizer absolutamente nada!

Supor o que dirá

Tua boca velada

É ouvir-te já.

 

É ouvir-te melhor

Do que o dirias.

O que és não vem à flor

Das caras e dos dias.

 

Tu és melhor - muito melhor! -

Do que tu. Não digas nada. Sê

Alma do corpo nu

Que do espelho se vê.

 

In "O Virgem Negra"

Assírio & Alvim

 

Mário Cesariny

(1923-2006)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 1 de Novembro de 2016

Recordando... João Rasteiro

A DANÇA DAS MÃES

 

Na beleza incurável das feridas

alimentam-se mães sem trégua.

Nos rios secos, batem e batem os corações

alimentados em sangue frio e espesso.

Que é lívido. Que procura as raízes.

O coração é um bicho estranho, que vai

caminhando gota a gota. E as feridas incautas

aproximam-se das mães, imprudentes ao peso

de cada sopro. O amor eternamente feroz.

E as feridas das mães, são cada vez mais belas.

O medo caminha violentamente mais perto,

no corpo, na cara, nas vértebras e no ventre

onde se abriga com seu volúvel volume,

o silencioso amor de mãe.

Sob a folhagem da água, mães cansadas

da aridez que as toca, incendeiam-se através

dos filhos. E os filhos, esse chumbo cravado

nas asas, esse projecto que sobre o mar se estende,

alimenta as feridas pelos tendões.

As mães debicam sobre a areia a sua rota clara,

até ao fim do mundo. Como pela última vez.

Sobre a montanha, um filho incorpora-se na beleza

incurável das feridas, enquanto mães tacteiam

a pedra, até ser flor.

Por vezes sangram e cantam, secam os olhos,

arrancam os sexos e em permanente luta, corpo

a corpo, o amor estende-se, mas os gestos

são frios, neste caminhar obsceno

de pessoas sem frutos. Há-de caber numa gota,

todo o tempo, todo o amor, de uma vida sem história.

 

In “No Centro do Arco”

Palimage

 

João Rasteiro

(N. 1965)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Edmundo de ...

. Recordando... Célia Moura

. Recordando... Pedro Homem...

. Recordando... Afonso Lope...

. Recordando... Nuno Júdice

. Recordando... Luís Filipe...

. Recordando... Políbio Gom...

. Recordando... Gastão Cruz

. Recordando... António Lad...

. Recordando... Eugénio de ...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds