Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

Recordando... José Luís Peixoto

NA HORA DE PÔR A MESA, ÉRAMOS CINCO

 

na hora de pôr a mesa, éramos cinco:

o meu pai, a minha mãe, as minhas irmãs

e eu. depois, a minha irmã mais velha

casou-se. depois, a minha irmã mais nova

casou-se. depois, o meu pai morreu. hoje,

na hora de pôr a mesa, somos cinco,

menos a minha irmã mais velha que está

na casa dela, menos a minha irmã mais

nova que está na casa dela, menos o meu

pai, menos a minha mãe viúva. cada um

deles é um lugar vazio nesta mesa onde

como sozinho. mas irão estar sempre aqui.

na hora de pôr a mesa, seremos sempre cinco.

enquanto um de nós estiver vivo, seremos

sempre cinco.

 

In “A Criança em Ruínas”

Quetzal Editores

 

José Luís Peixoto

(N. 1974)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 25 de Setembro de 2016

Recordando... Sebastião Alba

NINGUÉM MEU AMOR

 

Ninguém meu amor

ninguém como nós conhece o sol

Podem utilizá-lo nos espelhos

apagar com ele

os barcos de papel dos nossos lagos

podem obrigá-lo a parar

à entrada das casas mais baixas

podem ainda fazer

com que a noite gravite

hoje do mesmo lado

Mas ninguém meu amor

ninguém como nós conhece o sol

Até que o sol degole

o horizonte em que um a um

nos deitam

vendando-nos os olhos.

 

In “Uma Pedra ao Lado da Evidência”

Assírio & Alvim

 

Sebastião Alba **

(1940-2000)

 

** Pseudónimo de Dinis Albano Carneiro Gonçalves

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 19 de Setembro de 2016

Recordando... Vitorino Nemésio

SE A NOSSA VOZ CRESCESSE...

 

Se a nossa voz crescesse, onde era a árvore?

Em que pontas, a corola do silêncio?

Coração já cansado, és a raiz:

Uma ave te passe a outro país.

 

Coisas de terra são palavra:

Semeia o que calou.

Não faz sentido quem lavra

Se o não colhe do que amou.

 

Assim, sílaba e folha, porque não

Num só ramo levá-las

Com a graça e o redondo de uma mão?

(Tu não te calas? Tu não te calas?!)

 

5-8-1962

 

In "Canto de Véspera"

Guimarães Editores

 

Vitorino Nemésio

(1901-1978)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 13 de Setembro de 2016

Recordando... Natércia Freire

AS CRIANÇAS

 

Então as crianças falaram da Morte.

Sentadas nos degraus de pedra,

Pousadas na manhã cinzenta,

Disseram: – Levava um vestido branco,

As mãos roxas e uma flor cansada.

 

No largo as mulheres cantavam.

Pensavam nos companheiros

E nas noites de amor.

As crianças permaneciam invioladas,

Possuídas de secretas imagens

E de tudo quanto foi antes do próprio nascimento.

 

Sentadas nos degraus de pedra,

As crianças desdobravam-se sucessivamente.

Unidades, dezenas, centenas, milhares, milhões, biliões.

O seu estandarte chama-se nevoeiro.

Mas os olhos repercutiam dobres de sinos

E uma enigmática energia solar.

 

Todavia, as noites das crianças eram templos de solidão

E nos leitos soluçavam o temor dos intrusos.

 

De manhã, invadiram todos os espaços e luzes.

E os adultos, ignorantes e cegos, sorriam.

– São as crianças!, diziam.

E seguiam a ruminar os seus sonhos,

Como se tivessem roçado a paz.

 

Mas as crianças germinavam, mudas e sábias,

As ordens recebidas num sol antigo.

Armavam-se de reservas e paixões,

Faziam planos que os adultos não deixariam depois cumprir.

 

(Depois, quando as crianças fossem adultos.)

Elas sabem que existe o Paraíso

Mas a distância de cada dia, entre os homens,

Escurece-lhes a memória finita.

Abrigam-se então na memória infinita

Que as liberta e possui

E nos leitos soluçam o temor dos intrusos.

 

In “Colóquio/Letras”

N.º 1 – Março.1971

Fundação Calouste Gulbenkian

Pág. 70/71

 

Natércia Freire

(1919-2004)          

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quarta-feira, 7 de Setembro de 2016

Recordando... Pedro Oom

PODE-SE ESCREVER

 

Pode-se escrever sem ortografia

Pode-se escrever sem sintaxe

Pode-se escrever sem português

Pode-se escrever numa língua sem saber essa língua

Pode-se escrever sem saber escrever

Pode-se pegar numa caneta sem haver escrita

Pode-se pegar na escrita sem haver caneta

Pode-se pegar na caneta sem haver caneta

Pode-se escrever sem caneta

Pode-se sem caneta escrever caneta

Pode-se sem escrever escrever plume

Pode-se escrever sem escrever

Pode-se escrever sem sabermos nada

Pode-se escrever nada sem sabermos

Pode-se escrever sabermos sem nada

Pode-se escrever nada

Pode-se escrever com nada

Pode-se escrever sem nada

 

Pode-se não escrever

 

In "Actuação Escrita"

Editora & etc (1980)

 

Pedro Oom

(1926-1974)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito (1)
Quinta-feira, 1 de Setembro de 2016

Recordando... Saúl Dias

SOFRO

 

Sofro

de não te ver,

de perder

os teus gestos

leves, lestos,

a tua fala

que o sorriso embala,

a tua alma

límpida, tão calma...

 

Sofro

de te perder.

durante dias que parecem meses,

durante meses que parecem anos...

 

Quem vem regar o meu jardim de enganos,

tratar das árvores de tenrinhos ramos?

 

In “Tarde Azul”

Editora Bonecos Rebeldes - 2008

 

Saúl Dias **

(1902-1983)

 

** Pseudónimo de Júlio Maria dos Reis Pereira

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Ana Hatherl...

. Recordando... Teresa Brin...

. Recorddando... Vitorino N...

. Recordando... Alberto Lac...

. Recodando... Fernando Pes...

. Recordando... Alberto Cae...

. Recordando... Ricardo Rei...

. Recordando... Fernando Pe...

. Recordando... Álvaro de C...

. Recordando... Alexander S...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds