Domingo, 31 de Maio de 2015

Recordando... Garcia Monteiro

UM MODO DE VER

 

Ela entrou, a sorrir, brejeira, com mistério,

Chegou ao pé da filha e disse-lhe ao ouvido:

«Parabéns! Arranjei-te um óptimo marido.»

A pequena espantou-se. «O Santos Desidério!»

 

Este Santos viajou pelo Celeste Império.

Tem seus contos de réis; mas vive aborrecido

Por ser imberbe e calvo. «O caso é divertido!»

Exclamou a pequena. E a mãe: «O caso é sério!»

 

E pôs-se a enumerar as boas qualidades,

O rendimento, o luxo, as ricas propriedades,

E a traça das mamãs, «morrendo por obtê-lo.»

 

A filha ouviu; e então, com modo sobranceiro,

Apenas observou que aquele cavalheiro

Era rico de bens - mas pobre de cabelo.

 

Horta

 

In “Rimas de Ironia Alegre”

Colecção Brevíssima – Maio de 1997

Liv. Civilização Editora e Contexto Editora

 

Garcia Monteiro

(1859 – 1913)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 25 de Maio de 2015

Recordando... Manuel Laranjeira

NA RUA

 

Ninguém por certo adivinha

como essa Desconhecida,

entre estes braços prendida,

jurava ser toda minha.

 

Minha sempre! — E em voz baixinha:

— «Tua ainda além da vida!...»

Hoje fita-me, esquecida

do grande amor que me tinha.

 

Juramos ser imortal

esse amor estranho e louco...

E o grande amor, afinal,

 

(Com que desprezo me lembro!)

foi morrendo pouco a pouco,

— como uma tarde em Setembro...

 

Comigo (Versos dum Solitário) - 1912

 

In “Obras de Manuel Laranjeira”

Edições Asa - 1993

 

Manuel Laranjeira

(1877-1912)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 19 de Maio de 2015

Recordando... António Gedeão

SONETO

 

Não pode Amor por mais que as falas mude

exprimir quanto pesa ou quanto mede.

Se acaso a comoção falar concede

é tão mesquinho o tom que o desilude.

 

Busca no rosto a cor que mais o ajude,

magoado parecer aos olhos pede,

pois quando a fala a tudo o mais excede

não pode ser Amor com tal virtude.

 

Também eu das palavras me arreceio,

também sofro do mal sem saber onde

busque a expressão maior do meu anseio.

 

E acaso perde, o Amor que a fala esconde,

em verdade, em beleza, em doce enleio?

Olha bem os meus olhos, e responde.

 

In “Poesias Completas” (1956-1967)

Prefácio de Jorge de Sena

Sá da Costa Editora – Lisboa -1987

 

António Gedeão **

(1906-1997)

 

** Pseudónimo de Rómulo de Carvalho

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quarta-feira, 13 de Maio de 2015

Recordando... Natália Correia

O ESPÍRITO

 

Nada a fazer amor, eu sou do bando

Impermanente das aves friorentas;

E nos galhos dos anos desbotando

Já as folhas me ofuscam macilentas;

 

E vou com as andorinhas. Até quando?

A vida breve não perguntes: cruentas

Rugas me humilham. Não mais em estilo brando

Ave estroina serei em mãos sedentas.

 

Pensa-me eterna que o eterno gera

Quem na amada o conjura. Além, mais alto,

Em ileso beiral, aí espera:

 

Andorinha indemne ao sobressalto

Do tempo, núncia de perene primavera.

Confia. Eu sou romântica. Não falto.

 

In “Sonetos Românticos”

Edições O Jornal – 1990

 

Natália Correia

(1923 – 1993)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quinta-feira, 7 de Maio de 2015

Recordando... José Régio

NARCISO

 

Dentro de mim me quis eu ver. Tremia,

Dobrado em dois sobre o meu próprio poço...

Ah, que terrível face e que arcabouço

Este meu corpo lânguido escondia!

 

Ó boca tumular, cerrada e fria,

Cujo silêncio esfíngico bem ouço!

Ó lindos olhos sôfregos, de moço,

Numa fronte a suar melancolia!

 

Assim me desejei nestas imagens.

Meus poemas requintados e selvagens,

O meu Desejo os sulca de vermelho:

 

Que eu vivo à espera dessa noite estranha,

Noite de amor em que me goze e tenha,

...Lá no fundo do poço em que me espelho!

 

In “Poesia II”

INCM – Imprensa Nacional Casa da Moeda

 

José Régio **

(1901 – 1969)

 

** Pseudónimo de José Maria dos Reis Pereira

 

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 1 de Maio de 2015

Recordando... Fernando Namora

POR TODOS OS CAMINHOS DO MUNDO

 

minha poesia é assim como uma vida que vagueia pelo mundo,

 

por todos os caminhos do mundo,

desencontrados como os ponteiros de um relógio velho,

que ora tem um mar de espuma, calmo, como o luar

num jardim nocturno,

 

ora um deserto que o sim um veio modificar,

ora a miragem de se estar perto do oásis,

ora os pés cansados, sem forças para além.

 

Que ninguém me peça esse andar certo de quem sabe

o rumo e a hora de o atingir,

a tranquilidade de quem tem na mão o profetizado

de que a tempestade não lhe abalará o palácio,

a doçura de quem nada tem a regatear,

o clamor dos que nasceram com o sangue a crepitar.

 

Na minha vida nem sempre a bússola se atrai ao mesmo norte.

Que ninguém me peça nada. Nada.

Deixai-me com o meu dia que nem sempre é dia,

com a minha noite que nem sempre é noite

como a alma quer.

 

Não sei caminhos de cor.

 

In “Mar de Sargaços”

Atlântida – Coimbra

 

Fernando Namora

(1919 – 1989)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Edmundo de ...

. Recordando... Célia Moura

. Recordando... Pedro Homem...

. Recordando... Afonso Lope...

. Recordando... Nuno Júdice

. Recordando... Luís Filipe...

. Recordando... Políbio Gom...

. Recordando... Gastão Cruz

. Recordando... António Lad...

. Recordando... Eugénio de ...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds