Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2013

Recordando... Florbela Espanca

AMAR!

 

Eu quero amar, amar perdidamente!

Amar só por amar: Aqui... além...

Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...

Amar! Amar! E não amar ninguém!

 

Recordar? Esquecer? Indiferente!...

Prender ou desprender? É mal? É bem?

Quem disser que se pode amar alguém

Durante a vida inteira é porque mente!

 

Há uma Primavera em cada vida:

É preciso cantá-la assim florida,

Pois se Deus nos deu voz, foi para cantar!

 

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada

Que seja a minha noite uma alvorada,

Que me saiba perder... pra me encontrar...

 

 

Charneca em Flor – 1930

 

In “Sonetos”

Colecção Autores Portugueses de Ontem

Edição da Livraria Estante – Junho.1988

 

Florbela Espanca

1894 – 1930

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 25 de Janeiro de 2013

Recordando... José Palla e Carmo

SINGELEZA

 

Um homem chorou diante da dor do nundo

Feliz dele que sentiu.

 

Uma criança abriu os olhos maravilhados

Feliz dela que viu.

 

Um ser humano descobriu o segreda da vida

Feliz dele que sorriu.

 

Olho para mim nada vejo

E mesmo assim

Feliz de mim por qualquer coisa…

 

 

In “Cadernos de Poesia – 2 “ – Maio de 1945

Edições Altura

 

 

José Palla e Carmo

1923 – 1995

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 19 de Janeiro de 2013

Recordando... Eduarda Chiote

NÃO HÁ FRONTEIRA

 

O Poeta diz: a vida

é uma «merda» que precisa ser vista com o máximo

requinte.

O requinte do olhar. Olhar que o obrigue a pecar.

Porque a vida

tal como o olhar

exerce-se fora da inocência dos sentidos

numa mesma intenção

e cumplicidade: a da boca

cega

que procura já, da morte, o peito recém-nascido

e canibal.

Porque é nesse altar

onde o pavio aceso toda a noite fulgura

que os lábios se entreabrem: flagelados de jejum

e castidade — céu despedaçado pela

águia fraccionando

o espaço

das cidades.

Não há intimidade no mal — escreve o poeta exilado.

Vinda de onde, então,

Poesia,

a poderosa luz da tua absurda

generosidade?

Do «animal que se sente no mundo como a água

na água?» — Não se sabe.

Escreve-se por nada, Arnaldo, para ninguém,

para nada.

Por isso, implacável, a ti mesma

eu me ofereço — um osso duro de roer

mas que ácido floresce

no aroma que mistura o oiro à merda e o mar

ao sal.

 

 

In “Poesia de Sempre”

Revista da Fundação Biblioteca Nacional

Nº 26 – Ano 14 – 2009

 

Eduarda Chiote

N. 1930

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 13 de Janeiro de 2013

Recordando... Jorge Reis-Sá

PAI, A MINHA SOMBRA ÉS TU

 

a cadeira está vazia, um corpo ausente

não aquece a madeira que lhe dá forma

 

e não ouço o recado que me quiseste dar

nem a tua voz forte que grita meninos

na hora de acordar

ouço o teu abraço, no corredor em gaia

e os olhos molhados pela inusitada despedida

 

o sol foge

mas o crepúsculo desenha a sombra que

tenho colada aos pés

ou o espelho, coberto com a tua face

 

pai, digo-te

a minha sombra és tu

 

 

In “A Palavra no Cimo das Águas”

Colecção Campo da Poesia

Campo das Letras – Lisboa – 2000

 

Jorge Reis-Sá

N. 1977

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2013

Recordando... António Rebordões Navarro

SABÍAMOS DO MAR SEM O SABERMOS

 

Sabíamos do mar sem o sabermos,

do mar dos mapas, da cor azul do mar,

dos naufrágios no mar,

do sol solto no mar.

 

Sabíamos do mar sem o sentirmos

nos poros dilatados pelo mar,

o verdejante mar escalando as montanhas

tão bruscas como o sal.

 

Sabíamos do mar em sinuosos sinos

assinalando a noite

com corações arrepiados,

abertos como mãos

sulcadas de cabelos e molhadas

de rugas e escamas.

 

Sabíamos do mar em signos, símbolos,

tropos e metáforas.

Sabíamos do mar?

Sabíamos o mar.

Sabíamos a mar

 

In “O Inverno - Poemas (1952 - 1982)”

Imprensa Nacional Casa da Moeda

 

Antónioo Rebordões Navarro

N. 1933

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 1 de Janeiro de 2013

Recordando... Fernando Caldeira

A VIDA

 

Abri meus olhos ao raiar da aurora

e parti. Veio o sol e, então, segui-a,

a sombra, que eu julgava guiadora,

a minha própria sombra fugidia.

 

E foi subindo o sol; ao meio-dia

escondeu-se-me aos pés a sombra;

agora se volvo o olhar onde passei outrora,

vejo-a a seguir-me, a sombra que eu seguia.

 

A gente é o sol de um dia; sobe, avança,

passa o zênite, e vai na imensidade

apagar-se no mar, onde se lança...

 

E a vida é a própria sombra; meia-idade,

somos nós que a seguimos, e é a Esperança;

depois segue-nos ela: é a Saudade.

 

 

In “A Circulatura do Quadrado”

Edição Unicepe - Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, C.R.L.

 

Fernando Caldeira

1842 – 1894

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Edmundo de ...

. Recordando... Célia Moura

. Recordando... Pedro Homem...

. Recordando... Afonso Lope...

. Recordando... Nuno Júdice

. Recordando... Luís Filipe...

. Recordando... Políbio Gom...

. Recordando... Gastão Cruz

. Recordando... António Lad...

. Recordando... Eugénio de ...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds