Sábado, 31 de Dezembro de 2011

Recordando... Ana Marques Gastão

VENS DE NOITE NO SONHO

 

Vens de noite no sonho

sem pés

entre páginas

de gasta paciência

quando a música findou

e teu sorriso se desfez

como um grão de pólen.

 

Vens no veneno oculto

de meus dias

no silêncio

dos meus ossos

devagar

arrastando em queda

o nosso mundo.

 

Vens no espectro

da angústia

na escrita

inquieta

destes versos

no luto maternal

que me devolve a ti.

 

A escuridão desce então

sobre o meu corpo

quando o rosto da morte

adormece na almofada.

 

 

In “Nocturnos”

Editora Gótica

 

Ana Marques Gastão

N. 1962

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 25 de Dezembro de 2011

Recordando... David Mourão-Ferreira

NATAL, E NÃO DEZEMBRO

 

Entremos, apressados, friorentos,

Numa gruta, no bojo de um navio,

Num presépio, num prédio, num presídio,

No prédio que amanhã for demolido...

Entremos, inseguros, mas entremos.

Entremos, e depressa, em qualquer sítio,

Porque esta noite chama-se Dezembro,

Porque sofremos, porque temos frio.

 

Entremos, dois a dois: somos duzentos,

Duzentos mil, doze milhões de nada.

Procuremos o rastro de uma casa,

A cave, a gruta, o sulco de uma nave...

Entremos, despojados, mas entremos.

De mãos dadas talvez o fogo nasça,

Talvez seja Natal e não Dezembro,

Talvez universal a consoada.    

 

 

In “Cancioneiro do Natal”

(Prémio Nacional de Poesia – 1971)

Edições Rolim – 1986

 

David Mourão-Ferreira

1927 – 1996

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2011

Recordando... José Fanha

ROMANCE INGÉNUO DE DUAS LINHAS PARALELAS

 

Duas linhas paralelas,

muito paralelamente,

iam passando entre estrelas

fazendo o que estava escrito:

caminhando eternamente

de infinito a infinito.

 

Seguiam-se passo a passo

exactas e sempre a par

pois só num ponto do espaço,

que ninguém sabe onde é,

se podiam encontrar,

falar e tomar café.

 

Mas farta de andar sozinha,

uma delas certo dia

voltou-se para a outra linha,

sorriu-lhe e disse-lhe assim:

«Deixa lá a geometria

e anda aqui para o pé de mim...»

 

Diz a outra: «Nem pensar!

Mas que falta de respeito!

Se quisermos lá chegar,

temos de ir devagarinho,

andando sempre a direito

cada qual no seu caminho!»

 

Não se dando por achada

fica na sua a primeira

e sorrindo amalandrada,

pela calada, sem um grito,

deita a mãozinha matreira,

puxa para si o infinito.

 

E com ele ali à frente,

as duas a murmurar

olharam-se docemente,

e sem fazerem perguntas,

puseram-se a namorar,

seguiram as duas juntas.

 

Assim, nestas poucas linhas

fica uma estória banal

com linhas e entrelinhas

e uma moral convergente:

o infinito afinal

fica aqui ao pé da gente.

 

 

In “Eu Sou Português Aqui”

Edições Ulmeiro

 

José Fanha

N. 1951

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 13 de Dezembro de 2011

Recordando... Manuela Amaral

MULHER
(EM DEFINIÇÃO)

 

Mulher-Poesia
que deixa no meu corpo bocados de poema

 

Mulher-Criança
que desce à minha infância
e me traz adulta

 

Mulher-Inteira
repartida no meu ser

 

Mulher-Absoluta
Fonte da minha origem

 

 

In “Amor no Feminino”
Editora Fora do Texto – 1997 

 

Manuela Amaral 
1934 – 1995

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2011

Recordando... Antero de Quental

NOCTURNO

 

Espírito que passas, quando o vento
Adormece no mar e surge a lua,
Filho esquivo da noite que flutua,
Tu só entendes bem o meu tormento...

Como um canto longínquo – triste e lento –
Que voga e subtilmente se insinua,
Sobre o meu coração, que tumultua,
Tu vertes pouco a pouco o esquecimento...

A ti confio o sonho em que me leva
Um instinto de luz, rompendo a treva,
Buscando, entre visões, o eterno Bem.

E tu entendes o mal sem nome,
A febre de Ideal, que me consome,
Tu só, Génio da Noite, e mais ninguém!

 

 

In “Sonetos”

Colecção – Autores Portugueses de Ontem

Estante Editora – Maio de 1989

 

Antero de Quental

1842 – 1891

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2011

Recordando... António Gedeão

ARMA SECRETA

 

Tenho uma arma secreta

ao serviço das nações.

Não tem carga nem espoleta

mas dispara em linha recta

mais longe que os foguetões.

 

Não é Júpiter, nem Thor,

nem Snark ou outros que tais.

É coisa muito melhor

que todo o vasto teor

dos Cabos Canaverais.

 

A potência destinada

às rotações da turbina

não vem da nafta queimada,

nem é de água oxigenada

nem de ergóis de furalina.

 

Erecta, na noite erguida,

em alerta permanente,

espera o sinal da partida.

Podia chamar-se VIDA.

Chama-se AMOR, simplesmente.

 

 

In “Poesia Completa”

Portugália Editora

 

António Gedeão *

1906  – 1997

 

 

* Pseudónimo de Rómulo Vasco da Gama de Carvalho

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Vicente Cam...

. Recordando... Ana Hatherl...

. Recordando... Teresa Brin...

. Recorddando... Vitorino N...

. Recordando... Alberto Lac...

. Recodando... Fernando Pes...

. Recordando... Alberto Cae...

. Recordando... Ricardo Rei...

. Recordando... Fernando Pe...

. Recordando... Álvaro de C...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds