Quinta-feira, 29 de Julho de 2010

Recordando... João Penha

O ESPELHO TRAIDOR

 

Enganam muitas vezes os espelhos,

Fazem dum quadro alegre um quadro triste.

Mas, direi da justiça que me assiste,

Posta a mão sobre a cruz dos Evangelhos.

 

Nesses teus olhos, de chorar vermelhos,

Perpassa ira, e como lança em riste,

Me fere os seios d’alma, por que viste

A tua aia assentada em meus joelhos!

 

Para que dessa dor não fique rastro

(Nem havia razão de tanto alarme)

Escuta o que ela disse ao teu poetastro,

 

Escuta-o e o riso o teu furor desarme:

“Quero, de perto, contemplar um astro…”

E pôs-se, como a viste, a contemplar-me.

 

 

In “Ecos do Passado” – 1914

Companhia Portuguesa Editora – Porto

 

João Penha

1838 – 1919

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Domingo, 25 de Julho de 2010

Recordando... José Abílio Gouveia

O VELHO MARINHEIRO

 

Quem é tu pobre velho, à beira mar,

Fitando há tanto tempo o horizonte?

Porque vejo teus olhos a chorar,

Tão enrugada, assim, a tua fronte?

 

Será que uma lembrança, uma saudade,

Se torna tão distante e sonhador?

Será que já não tens felicidade?

Responde, fala, diz-me, por favor.

 

E o pobre velho de expressão vincada,

Qual testemunho de uma vida dura,

Olhando-me disse: (com voz velada,

Lenta, pausada e cheia de amargura)

 

Eu sou aquele que sulcou esteiras,

rasgando selvas, arroteando mares;

Eu sou aquele que transpôs barreiras,

Que forjou raças e construiu lares.

 

Eu sou aquele que adubou, com sangue,

Lavras imensas, em milhares de terras;

Eu sou aquele que chorou exangue,

Seus filhos mortos noutras tantas guerras.

 

Mas hoje... nada sou. Só nostalgia!

Estátua viva de alucinações!

Sou Alcácer-Quibir em agonia,

Ouvindo ao longe, os versos de Camões!

 

Perguntaste quem sou? Sou o passado

De alguém que ditou leis, ao mundo inteiro;

Moribundo, cuspido, espezinhado,

O velho Portugal, o Marinheiro.

 

 

Guimarães, 1975

 

In “Poetas & Trovadores”

Ano XVlll – 3ª edição – n.º 1 – Abril  de 1998

 

José Abílio Gouveia

1916 – 1996  

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 21 de Julho de 2010

Recordando... Dórdio Leal Guimarães

DIAMOR

 

É de cravo. Toque de pétala em minha boca
a tua língua redonda. Talo cálido
macio de ponta subtil de tamanho.
Olhos para cima ardendo incessante de cabelos
girassóis gémeos maduros no corpo do meio.
Punhal de luz de permeio
e no cabo da lâmina a pérola do umbigo.
Algas escorrendo ausência de Tejo nos dedos.
Cabo do mundo dos meus fascínios
dos meus delírios bem fundo que digo?
E o lugar dos joelhos hangares paralelos
insuspeitos de viagens rotuladas.
Ó gulas que as zonas do apetite jogam os dados
com prazer e êxtases estudados.


Outrora disseste rei terei
ó se minha arte tal fosse
porque leal e amor sou
homoalma inscrever-te no cosmos.
Minha mulher. O teu sexo de colher.
De sabor torrencialmente minha.


Beber-te moderno sumo do fruto.
Abundante por espasmos
de enormes segredos menstruados.
Sorver a plenos pulmões teu hálito mais secreto.
Esvair-me de concreto.
Ajoelho-me semeador ante a ternura
do cálice por ti aberto.
Desfoca ao longe a bebida
de já não vê-la de tão perto...
E o talhe de teus rins muito de Florença.


Pés de mármore de si rotativos a Sirius.
Ventre que em movimento flutua.
Fartura de lua.
Nádegas porcelares, carnagens lótus.
Aprumo de haste bambu ao Sol e a Marte.
Sexo de mim cação em teu sexo tubarão...
e o teu clito perdoa que não aparece!


Ó dor! Eis-te amor. Meu amor.
Nem Vénus. Nem de Cnido nem de Milo.
Muito branca muito morena e quente.
Muito querida e nua viva de frente.


É nesta indecisão de folhas caindo caindo
decisão de altas artes plantas plantas
a boca me ardendo nas tuas mamas tantas
soltando-se em alces fugindo fugindo.


As horas sendo em nossos cabelos.
Uma a uma. Um a um. Do tempo a Tagus.
Meus olhos égides tristezas minhas
que as não desejo aos relâmpagos.


Aqui a solução é não sabermos nadar
me chamas irmã dos espaços morenos.
Entre ondas de carne e unhas seremos
medo cisma orgasmo de podermos voar.


(Inédito)

 

 

In “Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica”
Selecção, prefácio e notas de Natália Correia
5ª Edição – 2008

Antígona – Frenesi 

 

Dórdio Leal Guimarães

1938 – 1997

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sábado, 17 de Julho de 2010

Recordando... António José Forte

POEMA

 

Alguma coisa onde tu parada
fosses depois das lágrimas uma ilha,
e eu chegasse para dizer-te adeus
de repente na curva duma estrada

alguma coisa onde a tua mão
escrevesse cartas para chover
e eu partisse a fumar
e o fumo fosse para se ler

alguma coisa onde tu ao norte
beijasses nos olhos os navios
e eu rasgasse o teu retrato
para vê-lo passar na direcção dos rios

alguma coisa onde tu corresses
numa rua com portas para o mar
e eu morresse
para ouvir-te sonhar



In “Uma Faca nos Dentes”
Parceria A.M. Pereira
Livraria Editora, Lda.

António José Forte

1931 – 1988

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (2) | favorito
Terça-feira, 13 de Julho de 2010

Recordando... Luís Adriano Carlos

ELEGIA

 

Dos teus olhos líquidos

irrompem musgos transparentes

onde existe um verso amarrotado

ao meio-dia. Um cinzeiro plástico,

resíduos da noite no óleo dos dedos.

Fica. Senta-te aqui na estrofe

desta ilha impar

num triângulo solitário.

Conversemos do curso que vais tirar,

da sede que mato em teus olhos,

de um animal atropelado,

do empréstimo de um livro, do sono

das aves para esconderem a morte.

Conversemos de tudo em vez de olharmos

as fontes secas e as folhas, o enxame

de lágrimas no meio da rua.

Não é meio-dia. Mentira

enquanto acreditávamos. Agora

só acredito em teu sonho. Gostava

de acariciar teus olhos líquidos

e alisar o verso amarrotado.

Mas perdes-te no voo sonoro e pequenino

do avião no horizonte. Eu queria

falar contigo. Olha

a minha voz sequiosa de ser ouvida

nas arestas do silêncio.

Eu queria era falar contigo.

Vivo num tapete de pregos em brasa

dentro do frio, numa lágrima cristalizada.

Vivo de não viver jamais.

Eu queria falar contigo.

 

 

A Mecânica do Sexxo XX

 

 

In “Poesia Digital – 7 Poetas dos Anos 80”

Campo das Letras

 

Luís Adriano Carlos
N. 1959

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 9 de Julho de 2010

Recordando... António Feijó

NOITE PERDIDA

 

Coitado do Rouxinol!

 

Passou a noite ao relento,

Do pôr ao nascer do Sol,

Sem descansar um momento,

Sempre a cantar, sem dormir,

Absorto no pensamento

De ver uma Rosa a abrir...

 

Coitado do Rouxinol!

 

Passou a noite ao relento,

Do pôr ao nascer do Sol,

Sempre a cantar, sem dormir...

Mas o mísero – coitado!

Cantando tão requebrado,

Com tal cuidado velou,

Que adormeceu de cansado,

E os olhos tristes cerrou

No minuto, no momento

Em que ao luar e ao relento

A Rosa desabrochou...

 

Coitado do Rouxinol!

 

Com tal cuidado velou

Do pôr ao nascer do Sol,

E tanto, tanto cantou,

A noite inteira ao relento,

Que de fadiga e tormento,

Sem descansar, sem dormir,

Fecha os olhos, perde o alento

No minuto, no momento

Em que a Rosa vai abrir...

 

Coitado do Rouxinol!

 

 

 

In “Leituras”

2º Tomo – 1ª Edição

Tip. Silvas, Lda.

 

António Feijó

1859 – 1917

 

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 5 de Julho de 2010

Recordando... Gentil de Valadares

O POETA E A MORTE

 

– Que sonhas tu, Poeta vagabundo?

“Acaso a construção de novo mundo?”

 

Olhei... Horror!..., a Morte estava ali...

E da cabeça aos pés, Jesus!, tremi:

Eu nunca vira espectro semelhante,

Um esqueleto assim, de mim diante.

 

– Não tremas... Deixa lá... Recobra a calma...

“É cedo ainda pra levar-te a alma!

“De mais a mais nem trago a foice adunca

“Que trago sempre e não perdoa nunca:

“Deixei-a nos Infernos, pra conserto,

“Pois amolada quer e o cabo aperto.

“Também, depois, em vindo lá da forja,

“Ai da seara humana, dessa corja!...”

 

Já num penedo vai sentar-se quando

Seus olhos, como brasas coruscando,

Me atraem para si... Lhe caio ao lado,

Autómato servil, inanimado...

 

– Põe-te a desejo... Vá!, despede o medo...

“Eu te prometo não levar tão cedo!”

 

– Ó Morte, irmã da Noite e da Tristeza,

Mas hás-de então levar-me?!

 

– Com certeza!

“A onda, que desfaz a rocha dura,

“Terá também um dia sepultura.”

 

E num sorriso cínico, de orgulho,

Rangeu as maxilas com barulho:

 

– Que pode a onda comparada a mim ?,

“O raio?, o vento?, quanto existe, enfim,

“Capaz de contrapor-se altivo e forte?...

“Um sopro que lhes dê, lhes dou a morte.”

 

– Se tem de ser, ó Morte, a despedida...,

Se tenho de morrer... que importa a vida?!

Nas veias sinto cólera selvagem,

Requintes de pirata na abordagem,

Um ódio sem igual, jamais sentido,

Capaz da voz mudar-me num rugido!

... Ó monstro!, bem maior que Satanás...

Detém-te aí! Cobarde, não te vás!

De mais eu sei o teu poder na Terra,

E o de teus filhos, Fome, Peste, Guerra...

De mais eu sei o mal que tendes feito!

E rias inda há pouco satisfeito...

Herodes! Tu nem poupas as crianças...

Que mal te fazem, para tais vinganças?!

 

Estoira a Morte a rir, num rir cruel,

O rir, talvez, da cobra-cascavel...

A rir, a rir, ela estremece tanto

Que até lhe cai do ombro o negro manto

(No chão onde tombou, gelado crepe,

Jamais erva cresceu – tornou-se estepe!).

Após se rir, com ar de quem não pensa,

Magnânima também, vingar a ofensa,

Desprende a voz:

 

– Poeta visionário

“Tens de levar a cruz ao teu calvário

“E, lá, de Jesus Cristo à semelhança,

“Serei Longuinhos a espetar-te a lança!

“Quanto no mundo existe, vive, sente,

“Há-de sofrer o espinho de meu dente!

“O ferro, o próprio ferro se oxida:

“Sou eu, ferrugem, que lhe tiro a vida.

“Meu pobre sonhador! Porque deliras?

“Blasfemas... Nada mais. Acalma as iras.

“É certo que sou má e que sou dura

“Mas só, vê tu!, para vos dar ventura:

“O mundo sem a morte o que seria?

“Hospício de macróbios hoje em dia,

“Macróbios, sim, antediluvianos

“Com mais de mil milhões de negros anos...

“E exércitos de reis, com seus vassalos,

“Como podia a terra sustentá-los?,

“Como podia a terra em si contê-los?

“Nem juntos, juntos, como os teus cabelos...

“Se os deuses destronei dos velhos povos

“(E só por dar lugar aos deuses novos)

“Com mais justa razão, justa e mais forte,

“Tereis, sem excepção, a mesma sorte!

“Que, mesmo assim, vê bem!, os homens são

“Feras cruéis, com uso da razão...

“Se o mundo é todo horror, pirataria,

“Sem mim, travão e algoz, que não seria?!...

“Embora me pagueis com ódio fundo,

“Um mal eu sou que dá remédio ao mundo.”

 

As órbitas do crânio em mim cravadas,

De novo ri, mais forte, às gargalhadas.

 

E, súbito, acordei, horrorizado...

 

– Que pena a Morte não me ter levado!

 

  

In “Cruz” – 1961

 

Gentil de Valadares

1916 – 2006

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 1 de Julho de 2010

Recordando... Luís Miguel Nava

RECÔNDITAS PALAVRAS

 

Inquietam-me as dedadas

de deus rente à raiz da carne, ao indeciso

equilíbrio da alma

na balança, à cicatriz

azul do céu sobre o destino.

 

O mar pneumático, ao sabor

do qual contra os sentidos se nos fazem

e desfazem as ávidas lembranças,

assalta-me os sentidos, tenebrosas

 

crateras escavadas

no espírito e através

das quais, incandescentes, as imagens

do mundo sobre ele próprio se derramam

 

como uma lava espessa, esses sentidos

que, como aéreos

estigmas, nos imprimem

na carne a cicatriz do céu, a indecisa

maneira de as imagens

 

do mundo se guindarem

mais alto do que a alma ou o alento

de quem dentro de nós

aviva a sua chama. O que nos sai

do coração vem a ferver.

 

A carne, ao rés

da qual o céu se encurva, báscula

que deus deixou nos arredores

dum qualquer lugarejo

 

a encher-se de ferrugem, cicatriz

pesada, combustível, com raiz

nas mais profundas trevas, a carne âncora

submersa no destino, ergue-se a pique

 

de novo onde as lembranças

se fazem e desfazem

com todo o azul do céu

lá dentro a procurar rompê-la.

 

Sentados no convés, como se fosse

já noite e nos soubesse

o pão ao ranço da memória, contemplamos

os rudes marinheiros.

 

Depois que pela encosta procurámos

em vão uma escada de que o último

degrau fosse já dentro da memória,

suspenso na memória,

 

desfaz-se-nos dos ossos

a carne, com o seu quê de lírico e festivo,

em áreas portuárias onde o mar

nos sai do coração para galgar o molhe,

 

e, agora que começam

os anos a pesar

mais para trás que para a frente, acodem-nos

recônditas palavras aos ouvidos:

 

«Fecharam-se-te os olhos e eu fiquei de fora»,

 

«Nas tuas mãos começa o precipício».

 

 

 

Vulcão

 

In “Poesia Completa 1979-1994”

Publicações Dom Quixote

 

Luís Miguel Nava

1957 – 1995

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Ana Hatherl...

. Recordando... Teresa Brin...

. Recorddando... Vitorino N...

. Recordando... Alberto Lac...

. Recodando... Fernando Pes...

. Recordando... Alberto Cae...

. Recordando... Ricardo Rei...

. Recordando... Fernando Pe...

. Recordando... Álvaro de C...

. Recordando... Alexander S...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds