Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2009

Recordando... Ana Marques Gastão... Poetisa Contemporânea

SOBREVIVO

 

Sobrevivo

assim

casa vazia

em vasto mundo.

 

E tu mais dócil

em teu fiel

e paciente inferno

de enormes estrelas.

 

Sono de morte

sou voo raso

adágio breve

salmo e nostalgia.

 

Aqui nascemos

e voltamos

mortos

na memória

doce espiral,

de um tão

escasso fulgor.

 

 

In “Nocturnos”

Gótica Editora

 

Ana Marques Gastão

N. 1962

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2009

Recordando... Castro Reis... Poeta do Séc. XX

APELO DE NATAL

 

Irmãos, filhos de Deus, povos do Mundo,

Eu vos lanço este apelo universal:

Vamos erguer a voz, gritar bem fundo,

Dizer a todo o mundo, que é Natal!

 

Que é tempo de Concórdia, Paz e Amor,

De acabar com as guerras e vinganças!...

Pôr termo ao mal da droga, à fome e à dor,

À chacina de jovens e crianças!

 

Não podemos deixar que isto aconteça,

É urgente acabar com tudo isto!...

Pensar que a Humanidade assim padeça

É sentir, que de novo, matam Cristo!

 

Senhores dos milhões, vosso dinheiro,

Porque não remedeia tanto mal?!...

Fazei com ele a Paz do Mundo inteiro,

Que só assim, então, será Natal!

 

 

Natal de 1990

 

In “Etéreas Sinfonias do Natal”

Edição do Autor – 1997

 

Castro Reis

1918 – 2007

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Domingo, 20 de Dezembro de 2009

Recordando... Rosa Alice da Silva Branco... Poetisa Contemporânea

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

 

De novo o mar que espero

sentada à janela que dá para as rosas.

Que dá para todas as ruas que passei

com os teus passos. Para a estrada

onde virámos a cabeça para não ver

o homem esvaído no chão.

Depois comemos na casa de um amigo,

bebemos e falámos como se a vida fosse eterna.

À volta a estrada estava limpa, sem sinais

de sangue. As luzes sobre o mar nas duas margens

e a tua mão na minha perna. Lá no céu

um homem esventrado procura as suas asas.

Nada sei de anjos. Eu que espero o mar todos os dias

acredito na rotação da terra e na lei da gravidade.

Mas quando chegas o corpo não tem peso

e as palavras voam em redor de nós

alagadas em suor. E vem o mar.

 

 

In “Soletrar o Dia”
Edições Quasi

 

Rosa Alice da Silva Branco

N. 1950

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 16 de Dezembro de 2009

Recordando... Maria Cravidão... Poetisa Contemporânea

UMA ROSA

 

Uma rosa aérea expande-se vector de luz,

A Terra ascende noutro lugar infinitamente,

As palavras numa transumância até um silvo único,

Um sentido amado pela prata do diafragma, refluindo

o tempo todo como os receosos animais

enterram as hastes na lua.

Ou como alguém entra pelo terror

com os brandos instrumentos da paixão.

As mãos inteiras com que olho os translúcidos arcos,

a demora do corpo, ouro de ouro

sobre todas as coisas ignescentes.

 

Abraço-te como cegam

os desertores violinos

nas ogivas de água.

 

 

In “Exercício do Olhar”

Editora Vega

 

Maria Cravidão

N. 1945

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 12 de Dezembro de 2009

Recordando... José Miguel Silva... Poeta Contemporâneo

SEM TÍTULO

 

O teu corpo como um livro

escrito em braille,

Nausica, deixei-o

no capítulo primeiro.

 

Inútil é pensar

nos parágrafos de luz

que prometias.

Feito está o erro.

 

Não é cego o amor:

é cego quem o troca

pelo hás de bem amado

da sua escuridão.

 

 

In “Ulisses Já Não Mora Aqui”

Editora & etc

 

José Miguel Silva

N. 1969

 

 

 

 

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 8 de Dezembro de 2009

Recordando... Maria Eugénia Cunhal... Poetisa Contemporânea

SPARTACUS

 

Em cada hora
Em cada dia
Século após século
os homens arremessam o teu nome ao vento

e dele saem dardos, punhais, espadas
e dele saem pombas e flores ensanguentadas
De cada letra um filho
De cada som um eco

Teu nome-profecia
Teu nome vinho-novo
que ao terceiro dia há-de ressuscitar
nas veias do meu povo

Teu nome
que mil vezes tem sido agrilhoado
Teu nome sangue-mel
nos lábios do carrasco uma esponja de fel

Teu nome-escravo
Teu nome-espectro
fantasma de terror na noite de algozes
temido como as vozes que clamam no deserto

Teu nome-salmo
escrito em cada corpo morto
em cada cruz erguida

 

Teu nome-espiga
que se transforma
em pão
Teu
nome-pedra
da construção do mundo
que será o fruto do teu gesto

Teu nome
em cada gesto do esvoaçar das asas
da gaivota presa

Teu nome
vela-acesa na catedral da esperança
do altar-homem

Teu nome
em cada grito
em cada mão

Teu nome-sinfonia
que há-de explodir com a alegria
de um átomo liberto

Spartacus!
Teu nome-irmão.

 

 

In “As Mãos e o Gesto”

Editorial Escritor

 

Maria Eugénia Cunhal

N. 1927

 

 

 

 

 

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2009

Recordando... Ana Luísa Amaral... Poetisa Contemporânea

UM CÉU E NADA MAIS

 

Um céu e nada mais – que só um temos,

como neste sistema: só um sol.

Mas luzes a fingir, dependuradas

em abóbada azul - como de tecto.

E o seu número tal, que deslumbrados

eram os teus olhos, se tas mostrasse,

amor, tão ribalta azul, como de

circo, e dança então comigo no

trapézio, poema em alto risco,

e um levíssimo toque de mistério.

Pega nas lantejoulas a fingir

de sóis mal descobertos e lança

agora a âncora maior sobre o meu

coração. Que não te assuste o som

desse trovão que ainda agora ouviste,

era de deus a sua voz, ou mito,

era de um anjo por demais caído.

Mas, de verdade: natural fenómeno

a invadir-te as veias e o cérebro,

tão frágil como álcool, tão de

potente e liso como álcool

implodindo do céu e das estrelas,

imensas a fingir e penduradas

sobre abóbada azul. Se te mostrasse,

amor, a cor do pesadelo que por

aqui passou agora mesmo, um céu

e nada mais - que nada temos,

que não seja esta angústia de

mortais (e a maldição da rima,

já agora, a invadir poema em alto

risco), e a dança no trapézio

proibido, sem rede, deus, ou lei,

nem música de dança, nem sequer

inocência de criança, amor,

nem inocência. Um céu e nada mais.

 

 

In “Às Vezes o Paraíso”

Quetzal Editores

 

Ana Luísa Amaral

N. 1956

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Edmundo de ...

. Recordando... Célia Moura

. Recordando... Pedro Homem...

. Recordando... Afonso Lope...

. Recordando... Nuno Júdice

. Recordando... Luís Filipe...

. Recordando... Políbio Gom...

. Recordando... Gastão Cruz

. Recordando... António Lad...

. Recordando... Eugénio de ...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds