Terça-feira, 28 de Abril de 2009

Recordando... Pedro António Correia Garção

SONETO XVI

 

O louro chá no bule fumegando

De Mandarins e Brâmanes cercado;                   

Brilhante açúcar em torrões cortado;

O leite na caneca branquejando.

 

Vermelhas brasas, alvo pão tostado;

Ruiva manteiga em prato bem lavado;

O gado feminino rebanhado,

E o pisco Ganimedes apalpando;

 

A ponto a mesa está de enxaropar-nos.

Só falta que tu queiras, meu Sarmento,

Com teus discretos ditos alegrar-nos.

 

Se vens, ou caia chuva, ou brame o vento,

Não pode a longa noite enfastiar-nos,

Antes tudo será contentamento.

 

 

Obras Poéticas de Pedro António Correia Garção

 

In “Ler Por Gosto”

Areal Editores

 

Pedro António Correia Garção

1724 – 1772

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 24 de Abril de 2009

Recordando... Francisco de Vasconcelos

À MORTE DE F.

Esse jasmim, que arminhos desacata,
Essa aurora, que nácares aviva,
Essa fonte, que aljôfares deriva,
Essa rosa, que púrpuras desata;

Troca em cinza voraz lustrosa prata,
Brota em pranto cruel púrpura viva,
Profana em turvo pez prata nativa,
Muda em luto infeliz tersa escarlata.

Jasmim na alvura foi, na luz Aurora,
Fonte na graça, rosa no atributo,
Essa heróica deidade que em luz repousa.

Porém fora melhor que assim não fora,
Pois a ser cinza, pranto, barro e luto,
Nasceo jasmim, aurora, fonte, rosa.


Fénix Renascida III

 

 

In “Ler Por Gosto”

Areal Editores

 

Francisco de Vasconcelos

1665 – 1723

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

Recordando... Soror Violante do Céu

SONETO


Amor, se uma mudança imaginada
É já com tal rigor minha homicida,
Que será se passar de ser temida,
A ser, como temida, averiguada?

Se só por ser de mim tão receada,
Com dura execução me tira a vida,
Que fará se chegar a ser sabida?
Que fará se passar de suspeitada?

Porém se já me mata, sendo incerta,
Somente imaginá-la e presumi-la,
Claro está (pois da vida o fio corta).

Que me fará depois, quando for certa,
Ou tornar a viver para senti-la,
Ou senti-la também depois de morta.

 

 

Rimas Várias

 

In “Breve Antologia Poética do Período Barroco”

Livª. Civilização Editora – Porto e Contexto Editora – Lisboa

 

Soror Violante do Céu

1602 – 1693

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 17 de Abril de 2009

Recordando... António Barbosa Bacelar

A UM PRADO FLORIDO

 

Do que sou me vi já mui diferente,

Alegre tu virás a estar de luto:

Qual te vejo, me vi com flor, e fruto,

Qual me vês, te verás bem descontente:

 

Dá-te agora tributo o estio ardente,

Eu ao frio inverno dou tributo,

Assim nos fez o tempo sempre astuto,

Se triste agora a mim, a ti florente:

 

Não queiras fazer certo o meu receio,

Pois tens exemplo em mim: Ah quem me dera,

Que em mim escarmentaras teus enganos!

 

Mas lá virá o tempo horrendo, e feio,

Donde perca seu brio a primavera,

E te sirvam de dor meus desenganos.

 

 

Fénix Renascida

 

In “Breve Antologia Poética do Período Barroco”

Livª. Civilização Editora – Porto e Contexto Editora – Lisboa

 

António Barbosa Bacelar

1610 – 1663

 

  

 

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 16 de Abril de 2009

Recordando... Frei Jerónimo Baía

PENANDO AUSENTE E PRESENTE

 

Se a vossos olhas chego,

Se deles me desvio

Na dura ausência, e no suave emprego,

Um incêndio padeço, e choro um rio.

E sempre em tal pesar, e prazer tanto,

Se turva a vista em luz, se turva em pranto.

Ai como temo que me façam cego

De ver no gosto, e de não ver na mágoa

Vossos olhos em fogo, e os meus com água.

 

 

Fénix Renascida

 

In “Breve Antologia Poética do Período Barroco”

Livª. Civilização Editora – Porto e Contexto Editora – Lisboa

 

Frei Jerónimo Baía

1620/30 – 1688

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Domingo, 12 de Abril de 2009

Recordando... Tomás Pinto Brandão

QUEIXAM-SE TODOS OS DEFUNTOS,

QUE HOUVE NA EPIEMIA QUE

PADECEU LISBOA, NO ANO DE 1723

 

Nós, abaixo assinados pela terra,

clamamos, de que em tanta mortandade

não tenha entrado Médico, nem Frade;

e que só faça a morte aos pobres guerra!

 

Dirá a morte que pouco ou nada erra,

em desviar de toda a enfermidade

a dois que são da sua faculdade;

porque o Médico mata e o Frade enterra.

 

Replicamos: que as tumbas com frequências,

andam cá por estreitos pecadores,

sem subirem às largas consciências.

 

Dirá também que os tais são matadores;

e é preciso que tenha dependências

a morte com Ministros e Senhores.

 

 

In “Cem Poemas Portugueses do Riso e do Maldizer”

Selecção e org. de José Fanha e José Jorge Letria

Editora Terramar

 

 

Tomás Pinto Brandão

1664 – 1743

 

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 8 de Abril de 2009

Recordando... Soror Maria do Céu

SIGNIFICAÇÕES DAS FLORES MORALIZADAS

NARCISO GENTILEZA

 

Tem o narciso tanta gentileza,

Que na fonte o rendeu sua beleza,

E hoje, porque o conte,

Há narciso do espelho, e não da fonte,

Homem, que sem conselho,

Como dama te alindas ao espelho,

Olha bem que só toca neste espaço

O cristal à mulher, a ti o aço,

Abraça o que te é próprio,

Que ser homem, e flor está impróprio,

Se és belo procede de tal arte,

Que quem te vê Narciso, te olha Marte.

 

 

In “Cem Poemas Portugueses no Feminino”

Selecção e org. de José Fanha e José Jorge Letria

Editora Terramar

 

 

Soror Maria do Céu

1658 – 1753

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sábado, 4 de Abril de 2009

Recordando... D. Tomás de Noronha

AS DUAS REGATEIRAS PELEJANDO

 

Clara e salva sejais, Clara Vicente!

Vedes tamanho mal? Que esta malvada

Tem língua e quer falar em gente honrada,

Sabendo vós quem é e de que gente.

 

Por isso o mundo vai de balravente!

Assim veja eu Brites bem casada,

Que em quanto disse e fala esta coitada

Com quantos tem na boca, todos mente.

 

Vós vedes, e quão má língua é de praga.

Ora, enfim, cada qual dá o que tem,

Por isso em mim não faz nem desfaz nada.

 

Que a que é boa e honrada não se apaga

Com ditos de uma suja, olhai de quem!

Louvado a Deus, sou bem casada!

 

 

Fénix Renascida

 

In “Breve Antologia Poética do Período Barroco”

Livª. Civilização Editora – Porto e Contexto Editora – Lisboa

 

D. Tomás de Noronha

? – 1651

 

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Glória de S...

. Recordando... Carlos de O...

. Recordando... Américo Cor...

. Recordando... Vítor Nogue...

. Recordando... Ana Luísa A...

. Recordando... Guerra Junq...

. Recordando... Fernando Ec...

. Recordando... António de ...

. Recordando... Agostinho d...

. Recordando... Vitorino Ne...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds