Sábado, 28 de Fevereiro de 2009

Recordando... Poetas do Séc. XIX/XX... Gomes Leal

AS ALDEIAS

 

Eu gosto das aldeias sossegadas,

com o seu aspecto calmo e pastoril,

erguidas nas colinas azuladas,

mais frescas que as manhãs finas de Abril.

 

Pelas tardes das eiras, como eu gosto

de sentir a sua vida activa e sã!

Vê-las na luz dolente do sol-posto,

e nas suaves tintas da manhã!...

 

As crianças do campo, ao amoroso

calor do dia, folgam seminuas,

e exala-se um sabor misterioso

de agreste solidão das suas ruas.

 

Alegram as paisagens as crianças

mais cheias de murmúrios do que um ninho:

e elevam-nos às coisas simples, mansas,

ao fundo, as brancas velas dum moinho.

 

Pelas noites de Estio, ouvem-se os ralos

zunirem nas suas notas sibilantes...

E mistura-se o uivar dos cães distantes

com o cântico metálico dos galos.

 

 

In "Claridades do Sul"

 

Gomes Leal

1848 – 1921

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2009

Recordando... Poetas do Séc. XIX/XX... Irene Lisboa

JEITO DE ESCREVER

Não sei que diga.
E a quem o dizer?
Não sei que pense.
Nada jamais soube.

Nem de mim, nem dos outros.
Nem do tempo, do céu e da terra, das coisas...
Seja do que for ou do que fosse.
Não sei que diga, não sei que pense.

Oiço os ralos queixosos, arrastados.
Ralos serão?
Horas da noite.
Noite começada ou adiantada, noite.
Como é bonito escrever!

Com este longo aparo, bonitas as letras e o gesto – o jeito.
Ao acaso, sem âncora, vago no tempo.
No tempo vago...
Ele vago e eu sem amparo.
Piam pássaros, trespassam o luto do espaço, este sereno
luto das horas. Mortas!

E por mais não ter que relatar me cerro.
Expressão antiga, epistolar: me cerro.
Tão grato é o velho, inopinado e novo.
Me cerro!

Assim: uma das mãos no papel, dedos fincados,
solta a outra, de pena expectante.
Uma que agarra, a outra que espera...
Ó ilusão!
E tudo acabou, acaba.
Para quê a busca das coisas novas, à toa e à roda?

Silêncio.
Nem pássaros já, noite morta.
Me cerro.
Ó minha derradeira composição! Do não, do
nem, do nada, da ausência e solidão.

Da indiferença.
Quero eu que o seja! Da indiferença ilimitada.
Noite vasta e contínua, caminha, caminha.
Alonga-te.
A ribeira acordou.

 

 

In “Líricas Portuguesas”

Portugália Editora

 

Irene Lisboa

1892 – 1958

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2009

Recordando... Poetas do Séc. XIX/XX... António Correia de Oliveira

O PERFUME

 

O que sou eu? – O Perfume,

Dizem os homens. – Serei.

Mas o que sou nem eu sei...

Sou uma sombra de lume!

 

Rasgo a aragem como um gume

De espada: Subi. Voei.

Onde passava, deixei

A essência que me resume.

 

Liberdade, eu me cativo:

Numa renda, um nada, eu vivo

Vida de Sonho e Verdade!

 

Passam os dias, e em vão!

– Eu sou a Recordação;

Sou mais, ainda: a Saudade.

 

In “Cem Poemas Portugueses do Adeus e da Saudade”

Editora Terramr – 2002

 

António Correia de Oliveira

1878 – 1960

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2009

Recordando... Poetas do Séc. XIX/XX... Garcia Monteiro

UM MODO DE VER

Ela entrou, a sorrir, brejeira, com mistério,
Chegou ao pé da filha e disse-lhe ao ouvido:
«Parabéns! Arranjei-te um óptimo marido.»
A pequena espantou-se. «O Santos Desidério!»

Este Santos viajou pelo Celeste Império.
Tem seus contos de réis; mas vive aborrecido
Por ser imberbe e calvo. «O caso é divertido!»
Exclamou a pequena. E a mãe: «O caso é sério!»

E pôs-se a enumerar as boas qualidades,
O rendimento, o luxo, as ricas propriedades,
E a traça das mamãs, «morrendo por obtê-lo.»

A filha ouviu; e então, com modo sobranceiro,
Apenas observou que aquele cavalheiro
Era rico de bens - mas pobre de cabelo.

Horta

 

In “Rimas de Ironia Alegre”

 

Garcia Monteiro

1859 – 1913  

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2009

Recordando... Poetas do Séc. XIX/XX... João Penha

MULHER, VEJO-TE NUA, EMBORA ESCONDAS

 

Mulher, vejo-te nua, embora escondas,

Sob as tintas de cândida tristeza,

As máculas da sórdida impureza,

A lepra vil das saturnais hediondas.

 

E contudo, enganando-me, ainda sondas

O mar largo da minha singeleza:

Supões-me, como o doge de Veneza,

Esposo fácil de corruptas ondas!

 

Não chores a meus pés esmorecida;

Lá mais tarde, nos palcos da cidade,

Farás de Madalena arrependida.

 

No vício pode haver honestidade:

Deixa-me em paz nas sombras desta vida,

Não me afrontes na minha soledade.

 

 

Vinho e Fel

 

In “Rimas”

Estante Editora – Dezembro.1990

 

João Penha

1838 – 1919

 

 

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 8 de Fevereiro de 2009

Recordando... Poetas do Séc. XIX/XX... Cesário Verde

LÚBRICA

 

Mandaste-me dizer,

no teu bilhete ardente,

que hás-de por mim morrer,

morrer muito contente.

 

Lançaste no papel

as mais lascivas frases;

a carta era um painel

de cenas de rapazes!

 

Ó cálida mulher,

teus dedos delicados

traçaram do prazer

os quadros depravados!

 

Contudo, um teu olhar

é muito mais fogoso,

que a febre epistolar

do teu bilhete ansioso:

 

Do teu rostinho oval

os olhos tão nefandos

traduzem menos mal

os vícios execrandos.

 

Teus olhos sensuais,

libidinosa Marta,

teus olhos dizem mais

que a tua própria carta.

 

As grandes comoções

tu, neles, sempre espelhas;

são lúbricas paixões

as vívidas centelhas...

 

Teus olhos imorais,

mulher, que me dissecas,

teus olhos dizem mais,

que muitas bibliotecas!

 

 

In “Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica”

Selecção, prefácio e notas de Natália Correia

5ª Edição – Outubro de 2008

Antígona/Frenesi

 

Cesário Verde

1855 – 1886

 

 

 

sinto-me: Radiante Sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 4 de Fevereiro de 2009

Recordando... Poetas do Séc. XIX/XX... Forbela Espanca

ANGÚSTIA


Tortura do pensar! Triste lamento!
Quem nos dera calar a tua voz!
Quem nos dera cá dentro, muito a sós,
Estrangular a hidra num momento!

E não se quer pensar!... e o pensamento
Sempre a morder-nos bem, dentro de nós...
Querer apagar no céu – ó  sonho atroz! –
O brilho duma estrela, com o vento!...

E não se apaga, não... nada se apaga!
Vem sempre rastejando como a vaga...
Vem sempre perguntando: «O que te resta?...»

Ah! não ser mais que o vago, o infinito!
Ser pedaço de gelo, ser granito,
Ser rugido de tigre na floresta!

 

 

In “Livro de Mágoas”

Sonetos – Estante Editora

 

Florbela Espanca

1894 – 1930

 

 

 

 

 

sinto-me: Sempre Radiante...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Ana Hatherl...

. Recordando... Teresa Brin...

. Recorddando... Vitorino N...

. Recordando... Alberto Lac...

. Recodando... Fernando Pes...

. Recordando... Alberto Cae...

. Recordando... Ricardo Rei...

. Recordando... Fernando Pe...

. Recordando... Álvaro de C...

. Recordando... Alexander S...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds