Segunda-feira, 29 de Outubro de 2007

Recordando... Poetas do Séc. XIX... Guilherme de Azevedo

 

FELINA MULHER

Eu quisera depois das lutas acabadas,
na paz dos vegetais adormecer um dia
e nunca mais volver da santa letargia,
meu corpo dando pasto às plantas delicadas.

Seria belo ouvir nas moitas perfumadas,
enquanto a mesma seiva em mim também corria,
as sãs vegetações, em intima harmonia,
aos troncos enlaçando as lívidas ossadas!

Ó beleza fatal que há tanto tempo gabo:
se eu volvesse depois feito em jasmins-do-cabo
 – gentil metamorfose em que nesta hora penso –

tu, felina mulher, com garras de veludo,
havias de trazer meu espírito, contudo,
envolto muita vez nas dobras do teu lenço!

 

 

Guilherme de Azevedo

1839 – 1882  

 

sinto-me: Radiante sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 26 de Outubro de 2007

Recordando... Poetas do Séc. XIX... Gonçalves Crespo

 

FERVET AMOR

Dá para a cerca a estreita e humilde cela
dessa que os seus abandonou, trocando
o calor da família ameno e brando
pelo claustro que o sangue esfria e gela.

Nos florões manuelinos da janela
papeiam aves o seu ninho armando,
vêem-se ao longe os trigos ondulando...
Maio sorri na Pradaria bela.

Zumbe o insecto na flor do rosmaninho:
nas giestas pousa a abelha ébria de gozo:
zunem besouros e palpita o ninho.

E a freira cisma e cora, ao ver, ansioso,
do seu catre virgíneo sobre o linho
um par de borboletas amoroso.

 

 

Gonçalves Crespo

1846 – 1883

sinto-me: Radiante sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 22 de Outubro de 2007

Recordando... Poetas do Séc. XIX... António Fogaça

 

OS ROUXINÓIS
                                                 

No meu jardim, num cedro em que a frescura
e a flor da novidade vêm brotando, 
pousa, por vezes, um ditoso bando
de alegres rouxinóis, entre a verdura. . .

Quando ali vou, tristíssimo, à procura 
de sossego e de luz, de quando em quando, 
sinto-os vir e pousar, ouço-os cantando 
no doce idílio de uma paz obscura.

E, desditoso, eu lembro com saudade,  
último brilho do meu peito ardente,  
que assim também, num íntimo vigor,

sobre o flóreo jardim da mocidade,  
cantaram na minh'alma alegremente,  
como no cedro, os rouxinóis do amor!...

 

In "Os Mais Belos Sonetos que o Amor Inspirou"
J. G. de Araújo Jorge – Vol. II – 1ª Ed.   1966

 

António Fogaça

1863 – 1888

 

 

sinto-me: Radiante sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 19 de Outubro de 2007

Recordando... Poetas do Séc. XIX... João de Deus

BENDITA

 

 

Lá vem a Rainha Santa

Que povo e rei tudo encanta!

Rainha pela beleza,

Rainha pela virtude!

Traz também no seu regaço

Rosas do jardim do paço

Com que rei e corte ilude...

Mas com que vale à pobreza

E aos enfermos dá saúde!

Por isso muita alma aflita,

Sorrindo na desventura,

Em na vendo assomar grita:

- Oh! Bendita formosura

De corpo e alma... bendita

 

 

João de Deus

1830 – 1896

 

sinto-me: Radiante sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007

Recordando... Poetas do Séc. XIX... Cesário Verde

 

 

MANIAS!

 

 

O mundo é velha cena ensanguentada,

Coberta de remendos, picaresca;

A vida é chula farsa assobiada,

Ou selvagem tragédia romanesca.

 

Eu sei um bom rapaz, – hoje uma ossada, –

Que amava certa dama pedantesca,

Perversíssima, esquálida e chagada,

Mas cheia de jactância quixotesca.

 

Aos domingos a deia já rugosa,

Concedia-lhe o braço, com preguiça,

E o dengue, em atitude receosa,

 

Na sujeição canina mais submissa,

Levava na tremente mão nervosa,

O livro com que a amante ia ouvir missa!

 


Cesário Verde

1855 – 1886

 

sinto-me: Radiante sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007

Recordando... Poetas do Séc. XIX... Camilo Castelo Branco

 

JORGE

Constantemente vejo o filho amado
Na minha escuridão, onde fulgura
A estática pupila da loucura,
Sinistra luz dum cérebro queimado.

Nas rugas de seu rosto macerado
Transpira a cruciantíssima tortura
Que escurentou na pobre alma tão pura
Talento, aspirações... tudo apagado!

Meu triste filho passas vagabundo
Por sobre um grande mar calmo, profundo,
Sem bússola, sem norte e sem farol.

Nem gozo nem paixão te altera a vida:
Eu choro sem remédio a luz perdida,
Bem mais feliz és tu, que vês o sol.

 

 

IN "Nas Trevas"

 

Camilo Castelo Branco

1825 – 1890

 

sinto-me: Radiante sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 8 de Outubro de 2007

Recordando... Poetas do Séc. XIX... Antero Quental

 

INTIMIDADE

 

Quando, sorrindo, vais passando, e toda
Essa gente te mira cobiçosa,
És bela – e se te não comparo à rosa,
É que a rosa, bem vês, passou de moda...

Anda-me às vezes a cabeça à roda,
Atrás de ti também, flor caprichosa!
Nem pode haver, na multidão ruidosa,
Coisa mais linda, mais absurda e doida.

Mas e na intimidade e no segredo,
Quando tu coras e sorris a medo,
Que me apraz ver-te e que te adoro, flor!

E não te quero nunca tanto (ouve isto)
Como quando por ti, por mim, por Cristo, juras
 – mentindo – que me tens amor...

 

 

Antero Quental

1842 – 1891

 

sinto-me: Radiante sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 5 de Outubro de 2007

Recordando... Poetas do Séc. XIX... Alexandre Herculano

 

E EU TE ENCONTREI, NUM ALCANTIL AGRESTE

 

 

E eu te encontrei, num alcantil agreste,

Meia quebrada, ó cruz. Sozinha estavas

Ao pôr do Sol, e ao elevar-se a Lua

Detrás do calvo cerro. A soledade

Não te pôde valer contra a mão ímpia,

Que te feriu sem dó. As linhas puras

De teu perfil, falhadas, tortuosas,

Ó mutilada cruz, falam de um crime

Sacrílego, brutal e ao ímpio inútil!

A tua sombra estampa-se no solo,

Como a sombra de antigo monumento,

Que o tempo quase derrocou, truncada.

No pedestal musgoso, em que te ergueram

Nossos avós, eu me assentei. Ao longe,

Do presbitério rústico mandava

O sino os simples sons pelas quebradas

Da cordilheira, anunciando o instante

Da ave-maria; da oração singela,

Mas solene, mas santa, em que a voz do homem

Se mistura nos cânticos saudosos,

Que a natureza envia ao Céu no extremo

Raio de sol, pasmado fugitivo

Na tangente deste orbe, ao qual trouxeste

Liberdade e progresso, e que te paga

Com a injúria e o desprezo, e que te inveja

Até, na solidão, o esquecimento!

 

 


Alexandre Herculano

1810 – 1877

sinto-me: Radiante sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 1 de Outubro de 2007

Recordando... Poetas do Séc. XIX... António Nobre

AO CAIR DAS FOLHAS

 

 

Pudessem suas mãos cobrir meu rosto,

Fechar-me os olhos e compor-me o leito,

Quando, sequinho, as mãos em cruz no peito,

Eu me for viajar para o Sol-posto.

 

De modo que me faça bom encosto,

O travesseiro comporá com jeito,

E eu tão feliz! por não estar afeito,

Hei-de sorrir, Senhor! Quase com gosto.

 

Até com gosto, sim! Que faz quem vive

Órfão de mimos, viúvo de esperanças,

Solteiro de venturas, que não tive?

 

Assim, irei dormir com as crianças

Quase como elas, quase sem pecados...

E acabarão enfim os meus cuidados.

 

 

Clavadel, Outubro, 1895

 

(Este poema é dedicado a sua irmã Maria da Glória)

António Nobre

1867 – 1900

sinto-me: Radiante sempre...
publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ler comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Visitas desde Agosto.2008


contador de visitas gratis

.Ano XI

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Recordando... Glória de S...

. Recordando... Carlos de O...

. Recordando... Américo Cor...

. Recordando... Vítor Nogue...

. Recordando... Ana Luísa A...

. Recordando... Guerra Junq...

. Recordando... Fernando Ec...

. Recordando... António de ...

. Recordando... Agostinho d...

. Recordando... Vitorino Ne...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds